Pub
Reportagem e fotos de © José Araújo

Desde o dia 9 junho que as Festas em honra do Divino Espírito Santo tiveram lugar em Santa Clara com os mordomos Roberto Moura e Andreia Moura.

Na quinta feira houve a noite da sardinha.Depois do braseiro estar em pleno foram confecionadas umas saborosas sardinhas, acompanhadas de batata cozida, e pão de milho e distribuído a todos os presentes.

Enquanto o manjar das sardinhas estava a decorrer da melhor maneira, num outro lugar se desmanchavam quatro vacas para serem distribuídas pelos irmãos no dia seguinte. Aproveitando o tempo o Marco Silva e o seu grupo foram encarregues pelo mordomo pelo tempero e confeção do porco no espeto.

E no dia de Portugal 10 de junho, sexta feira, houve a mudança da Bandeira do Espírito Santo ao fim da tarde acompanhada musicalmente por um grupo de cinco jovens tocadores acompanhados pelos amigos e irmãos do império. Na tenda em anexo a equipa da esposa do mordomo Andreia Moura preparava o arroz doce e a mãe do Roberto Moura também tratava já da carne para as sopas de Espírito Santo à moda de Santa Maria.

Enquanto a equipa Marco Silva preparava o porco no espeto e já o braseiro ardia para a confeção deste manjar que viria a ser distribuído pelos presentes durante o serão.O recinto da festa estava bem composto pois a noite ajudava a lá estar. Num pequeno palco o conjunto já testava o som, que mais tarde pôs os presentes a dançar e a cantar e porco no espeto continuava a ser distribuído.

No dia 11 junho sábado foi a noite das sopas do Espírito Santo à moda de Santa Maria. E algumas horas antes já a mãe do mordomo preparava a carne e as terrinas para esta ocasião. O tempo fez uma partida, choveu e distribuição das sopas teve de ser feita no interior da tenda montada no recinto da festa e que fez lembrar as copeiras em Santa Maria. A chuva, não afastou as pessoas e a tenda foi pequena para acolher todos aqueles que ali se deslocaram e que ultrapassavam a centena e meia. Não foi esquecido as vivas ao Divino Espírito Santo, enquanto se saboreavam as sopas o arroz doce o vinho e a nossa tradicional laranjada de São Miguel.

No domingo ponto alto da festa com a coroação que saiu a meio da tarde acompanhada pela Sociedade Filarmónica Progresso do Norte da Vila de Rabo de Peixe. A tarde foi de “gala” pois os presentes esmeram-se nos seus trajes, com a boa disposição e alegria depois de percorrer algumas ruas da freguesia de Santa Clara. Depois do recolher da coroação o mordomo Roberto Moura recebeu a banda de música e todos os participantes na tenda, num lanche de fim de tarde com a distribuição de pequenas lembranças por todos.

Ao serrão ainda houve música ao vivo no interior da tenda e arrematações e a subida do mordomo novo.

Bem hajam iniciativas destas, pois assim as tradições dos Impérios em louvor do Divino Espírito Santo, vão continuar de certeza.

Pub