Reforço previsto no Orçamento para o setor da saúde traduz compromisso para melhoria dos cuidados prestados  

Dionisio Faria e Maia

No âmbito do debate do Plano e Orçamento para 2020 os deputados do Grupo Parlamentar do PS/Açores estão a promover um conjunto de auscultações em setores-chave: “Nas reuniões que temos mantido com os Hospitais e com as Unidades de Saúde de ilha, constatamos que o Serviço Regional de Saúde evoluiu em qualidade e em oferta, nomeadamente na cobertura assistencial dos nossos utentes”, adiantou Dionisio Faria e Maia.

“Para o Partido Socialista a saúde é um bem maior que vamos defender sempre e no Plano e Orçamento do próximo ano, para além daquilo que são as orçamentações para os projetos em curso, vamos alocar ainda mais 26.5 Milhões de euros para redistribuir pelos Hospitais e pelas Unidades de Saúde”, acrescentou o deputado do PS/Açores, depois da reunião no Hospital do Divino Espírito Santo, realizada esta terça-feira. As verbas vão permitir “a melhoria de instalações, equipamentos, modernização e melhor acesso aos cuidados de Saúde”.

Dionisio Faria e Maia adiantou, ainda, que a reunião com as direções do hospital de Ponta de Delgada e com alguns técnicos de saúde serviu “para partilhar as particularidades e complexidades de problemas que existem na área da saúde, para os quais nós, necessariamente, vamos trabalhar para a sua resolução.

“O Hospital do Divino Espírito Santo é uma instituição de grande dimensão, com uma grande capacidade de resposta assistencial aos nossos utentes e, para nós, também, é com muito orgulho que verificamos ser uma unidade hospitalar que já vai na quarta certificação de qualidade internacional”, realçou o parlamentar.

Em resposta aos jornalistas, explicou que “a falta de médicos existe nalgumas áreas em que temos médicos em formação” e que faltam médicos em todo o país”. No entanto, como sublinhou, “Na Região conseguimos uma cobertura por médico de família de praticamente em todas as ilhas, com exceção da Terceira. É um desafio que nós conseguimos vencer”

Dionísio Faria e Maia recorda que quando crescem as ofertas de serviços nos hospitais e “é natural que, por cada consulta, possa aparecer mais uma cirurgia que tenha que ser marcada”. Aliás, as próprias estatísticas revelam que “pode haver cerca de 6% de novos candidatos a cirurgias quando aumentam as ofertas (…) isto é um facto que todos os sistemas de saúde têm e nós só temos que o resolver com as medidas que estão a ser implementadas”, como por exemplo, através da “produção acrescida”, do “vale saúde” e do “programa cirurge”

“Nós estamos a trabalhar, com grande afinco, com capacidade técnica excecional, para resolver esses problemas com qualidade, não de qualquer maneira”, acrescentou. O deputado do PS/Açores reiterou o compromisso do Governo dos Açores: “O Orçamento para a Saúde continua a crescer. Além de alocarmos na área de financiamento, só este ano, mais 26.5 Milhões de Euros para redistribuir, há um crescimento em relação àquilo que é o orçamento para o funcionamento das unidades de saúde, o que no nosso entender revela um grande esforço financeiro e de uma grande vontade de termos um Serviço nosso e de qualidade”.