Reação dos partidos ao XVII Congresso PS/Açores que decorreu este fim de semana

PSD/Açores diz que congresso do PS foi “poucochinho” para necessidades da região

António Ventura

O deputado do PSD à Assembleia da República António Ventura considerou hoje que a intervenção do líder do PS/Açores no encerramento do congresso dos socialistas da região trouxe “poucochinho” para a resolução dos problemas dos açorianos.

“O PS não chegou hoje de para-quedas aos Açores, está a governar há 22 anos. O que era preciso fazer era um ‘mea culpa’ pela não resolução dos problemas dos açorianos e depois então avançar com novas medidas”, começou por declarar o social-democrata, falando aos jornalistas sobre a intervenção de hoje de Vasco Cordeiro.

Para António Ventura, as medidas apresentadas pelo líder do PS/Açores e também presidente do Governo Regional “são poucochinho, mesmo muito poucochinho para aquilo que são os verdadeiros problemas dos açorianos e dos que vivem nas ilhas”.

“O PS está a governar há 22 anos e há problemas que persistem”, sinalizou o social-democrata da Terceira, abordando matérias como Saúde ou Educação.

O PS/Açores esteve reunido entre sexta-feira e hoje na Praia da Vitória, na ilha Terceira, em congresso regional.

O líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, anunciou na intervenção de fecho dos trabalhos a criação de medidas para ajudar os jovens a encontrar emprego, os pais que querem conciliar o trabalho com a vida familiar e os idosos que necessitam de cuidados ao domicílio.

O socialista asseverou também querer dar um “primeiro impulso” para um processo de descentralização de competências na região, para municípios e freguesias, “em benefício dos açorianos e das açorianas”.

CDS/Açores diz que açorianos não podem esperar muito do PS da região

Alonso Miguel

O dirigente do CDS/Açores Alonso Miguel declarou hoje que os açorianos “não devem esperar muito” do PS da região, partido que está “cansado” e “sem ideias” e contra o qual os centristas trabalham “todos os dias”.

“É urgente uma mudança política, uma alternativa ao PS nos Açores. É urgente uma governação não-socialista e é para isso que o CDS-PP trabalha todos os dias”, declarou Alonso Miguel, deputado ao parlamento dos Açores.

O centrista falava na Praia da Vitória, ilha Terceira, sobre o discurso do presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, na sessão de encerramento do XVII congresso regional do partido, que decorreu entre sexta-feira e hoje.

Para o CDS-PP, os açorianos “não devem esperar muito” do PS/Açores nos próximos anos.

“Será mais do mesmo. É o mesmo PS, cansado, com os mesmos intervenientes, os mesmos protagonistas, sem ideias para corrigir os falhanços sucessivos na maioria de áreas de intervenção”, sublinhou Alonso Miguel.

O líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, anunciou na intervenção de fecho dos trabalhos a criação de medidas para ajudar os jovens a encontrar emprego, os pais que querem conciliar o trabalho com a vida familiar e os idosos que necessitam de cuidados ao domicílio.

O socialista asseverou também querer dar um “primeiro impulso” para um processo de descentralização de competências na região, para municípios e freguesias, “em benefício dos açorianos e das açorianas”.

PCP/Açores diz que o PS está “sem ideias” e que a região precisa de “novo rumo”

O dirigente do PCP/Açores António Fonseca considerou hoje que o PS está “sem ideias” e que os Açores necessitam de um “novo rumo”, em reação ao discurso de encerramento do líder regional socialista no encerramento do congresso regional do partido.

“De facto somos levados a pensar que são precisas novas políticas e um novo rumo para os Açores e esse novo rumo não será feito com maiorias absolutas do Partido Socialista, terá de ser feito de outra forma”, adiantou, em declarações aos jornalistas.

António Fonseca representou o PCP na cerimónia de encerramento do XVII Congresso Regional do Partido Socialista dos Açores, que decorreu na Praia da Vitória, na ilha Terceira.

Segundo o dirigente comunista, além de algumas “medidas sociais”, o PS não apresentou medidas concretas para resolver os principais problemas dos açorianos.

“Relativamente às principais questões que os açorianos atravessam, não foi apresentada uma medida, nomeadamente relativamente aos transportes, ao desemprego, ao problema da falta de produção e de incentivos ao desenvolvimento do setor produtivo”, criticou.

Durante três dias, 345 delegados socialistas das nove ilhas dos Açores reuniram-se na Praia da Vitória para debater moções e eleger os órgãos regionais do partido.

Vasco Cordeiro, que é presidente do Governo Regional dos Açores desde 2012, foi reeleito para um terceiro mandato como presidente do PS/Açores em junho, com 97,89% de votos a favor.

A moção de orientação global “Pelos Açores, com os açorianos”, que apresentou no congresso, foi aprovada por unanimidade.

BE/Açores diz que o principal desafio do PS é combater o “caciquismo”

Paulo Mendes

O deputado do Bloco de Esquerda/Açores Paulo Mendes defendeu hoje que o principal desafio do PS na região é combater o “caciquismo”, alegando que o partido que está no poder não pode ser uma “plataforma para arranjar emprego”.

“Convém distinguir aqui o que são medidas que potenciam a criação genuína de emprego daquilo que são medidas que, porventura, possam perpetuar não só a precariedade entre os jovens, mas também uma certa colagem ao Partido Socialista por parte dos jovens e menos jovens, só porque é também uma plataforma para arranjar emprego”, adiantou, em declarações aos jornalistas.

Paulo Mendes, que representou o BE na cerimónia de encerramento do XVII Congresso Regional do Partido Socialista dos Açores, na Praia da Vitória, na ilha Terceira, reagia ao discurso do líder regional do PS, Vasco Cordeiro, que anunciou medidas de promoção do emprego junto dos jovens.

Para o dirigente do BE, o PS, que está no poder há 22 anos nos Açores, tem de “combater o caciquismo que se instalou na região” e que “contribui em grande parte para fortalecer e reforçar as maiorias absolutas que se vão perpetuando”.

Paulo Mendes disse também ter algumas reservas sobre a proposta de descentralização de competências do Governo Regional para o poder local.

“Quando se começam a delegar competências, como, por exemplo, critérios no âmbito da ação social escolar, estamos aqui mais uma vez, de certa forma encapotadamente, a reforçar formas de caciquismo local, quem sabe para fazer dos caciques locais uma espécie de juízes sobre quem terá acesso à ação social escolar”, frisou.

Durante três dias, 345 delegados socialistas das nove ilhas dos Açores reuniram-se na Praia da Vitória para debater moções e eleger os órgãos regionais do partido.

Vasco Cordeiro, que é presidente do Governo Regional dos Açores desde 2012, foi reeleito para um terceiro mandato como presidente do PS/Açores em junho, com 97,89% de votos a favor.

A moção de orientação global “Pelos Açores, com os açorianos”, que apresentou no congresso, foi aprovada por unanimidade.

 

Partilhar