Reabilitação do ‘Cinema do Aeroporto’, em Santa Maria, avança com a consignação da obra

A empreitada de requalificação do património histórico de Santa Maria relativa à reabilitação do ‘Cinema do Aeroporto’ teve início esta quarta-feira com a assinatura do auto de consignação da empreitada, que contou com a presença do Diretor Regional da Cultura, Nuno Ribeiro Lopes.

A obra, adjudicada ao consórcio das empresas Marques, S.A., Somague – Ediçor, Engenharia, S.A. e Tecnovia Açores – Sociedade de Empreitadas, S.A. pelo valor de 3,4 milhões de euros, tem um prazo de execução de 540 dias, estando, por isso, a sua conclusão prevista para dezembro de 2019, caso não existam prorrogações de prazo.

A reabilitação do edifício do antigo ‘Cinema do Aeroporto’ de Santa Maria visa a sua adaptação às necessidades recreativas, culturais e de lazer locais, enquadrando-se a intervenção na valorização do património cultural imóvel da Região.

Nesta intervenção consagra-se a memória de um equipamento e de uma época, fundamental na história dos Açores e de Santa Maria, e abre-se à comunidade, em geral, e aos agentes culturais da ilha, em particular, outra possibilidade na expressão da sua arte e cultura.

Igualmente permitirá um contato mais frequente com outras manifestações artísticas e culturais, que neste equipamento encontrarão o espaço adequado para as acolher, seja por itinerância, seja por iniciativa própria.

O equipamento que agora vai ser intervencionado encontra-se encerrado desde 2007, por motivos de segurança.

A sua construção original, totalmente em madeira, data do tempo da Segunda Grande Guerra Mundial e foi executada pelos norte-americanos, estando dotado originalmente de 501 lugares e de um palco de profundidade reduzida.

Esta reabilitação envolve uma intervenção também capaz de dotar este equipamento da versatilidade necessária para as diferentes valências artísticas, fazendo com que o edifício tenha capacidade para albergar espetáculos de teatro, dança, música e cinema.

Nesse sentido, será criada uma caixa de palco de 16 metros de altura, aumentada a profundidade do palco e, consequentemente, reduzido o número de lugares para 278, incluindo seis para pessoas com mobilidade condicionada.

Este equipamento ficará ainda dotado de seis camarins duplos e um individual, compostos por vestiários e instalações sanitárias, além de uma zona de bar e salas polivalentes, aptas a receber exposições e outros eventos.

A reabilitação do edifício é complementada com o arranjo da zona envolvente, com a delimitação dos pavimentos pedonais circundantes e de zonas para estacionamento.