PUB

“Qualquer um de vós é Natália no futuro. Assim o queiram, e poderão ser tão incontornáveis e intemporais quanto ela e o património que nos deixou. Sei que reside em cada um aqui presente esse potencial, usem-no para também fazer a diferença”.

A convicção foi manifestada pelo Vereador da Câmara Municipal de Ponta Delgada Sérgio Rezendes diante de vários jovens alunos do concelho que se deslocaram, esta sexta-feira, ao Coliseu Micaelense para assistirem a uma matiné da peça ‘Eu, Natália’, iniciativa levada a efeito com o objetivo de assinalar, celebrar e difundir o legado de Natália Correia junto do público estudantil e que se insere no vasto programa de comemorações do centenário do nascimento da poetisa promovido pela autarquia.

“Reparem no património histórico e cultural que estamos, material e imaterialmente, a vivenciar e a comemorar: falamos dos cem anos do nascimento de Natália, um dos maiores vultos da literatura portuguesa, no Coliseu Micaelense, que está a celebrar 106 anos. A Natália também pisou esta sala de espetáculos, era amante das artes que aqui se praticavam, e hoje temos o privilégio de estar a interagir com todo esse legado cultural e histórico”, sublinhou Sérgio Rezendes, que, do elenco camarário, tem a seu cargo os pelouros da Cultura e da Educação.

PUB

Na ocasião, o autarca fez questão de evocar o percurso de “Natália Correia como poetisa, mas também “a figura política que enfrentou o Estado Novo”, para, assim, a enaltecer como um “exemplo de referência para a juventude pró-dinâmica na construção de um futuro melhor”.

O Vereador Sérgio Rezendes terminou a sua intervenção louvando os artistas e a sua “capacidade de recuperação após a pandemia” e exortou os alunos presentes a ingressarem ou a criarem estruturas de Teatro na escola. “E por que não com o apoio dos vossos professores ou do próprio Coliseu?”, lançou o desafio.

A peça ‘Eu, Natália’ sobe ao palco do Coliseu Micaelense, este sábado, pelas 21h30. Da autoria de Maria Amélia da Costa Lopes, assume-se como uma forma de homenagear a escritora, poeta, dramaturga, romancista, ensaísta e jornalista, Natália de Oliveira Correia, ressalvando a sua coragem combativa na área da política, nomeadamente integrando movimentos antifascistas e, também, a sua assertividade na defesa da liberdade e dos direitos das mulheres.

A entrada é livre, dependendo apenas do levantamento prévio do ingresso na bilheteira do Coliseu Micaelense.

Natália Correia nasceu a 13 de setembro de 1923 na freguesia da Fajã de Baixo, em Ponta Delgada, e foi viver para Lisboa aos 11 anos. Não obstante o amplo reconhecimento público enquanto poetisa, a extensa obra da escritora micaelense inclui também trabalhos de ficção, teatro, ensaio e diário.

Pub