epa09190826 Ambulances and police cars gather outside a school in the aftermath of a shooting, in Kazan, Russia, 11 May 2011. The state news media reported that at least 11 people were killed in the shooting at the school. EPA/Anton Raykhshtat
Pub

“O Presidente ordenou a elaboração de urgência de um novo quadro legal sobre o tipo de armas autorizados a circular entre a população civil”, indicou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, poucas horas depois do ataque que fez entre oito e onze mortes, de acordo com diferentes balanços provisórios.

Por enquanto desconhece-se a identidade dos dois atacantes que dispararam contra alunos, professores e funcionário da escola 175 de Kazan.

Um dos atiradores envolvidos no ataque foi abatido, tendo outro sido detido pela polícia, referem as agências de notícias.

Segundo Rustam Minnikhanov, o governador da república de Tartária, da qual Kazan é capital, o ataque matou pelo menos um professor e sete alunos — quatro rapazes e três raparigas — e deixou 21 outras pessoas hospitalizadas.

Pub

Anteriormente, a agência de notícias russa RIA Novosti escrevera, citando os serviços de emergência, que o ataque tinha feito 11 mortos.

O Ministério da Educação disse à TASS que há pelo menos 32 feridos.

As autoridades reforçaram a segurança nos estabelecimentos de ensino de Kazan, a 700 quilómetros a oeste de Moscovo.

A polícia iniciou uma investigação sobre o ataque contra a escola 175 de Kazan, na Tartária, uma região maioritariamente habitada por muçulmanos.

Na altura do ataque estavam no edifício 714 crianças, 70 funcionários, entre os quais 52 professores.

Entretanto, o Ministério do Interior disse que está a ser organizada uma operação antiterrorista na zona.

Pub