PSD propõe negociação entre Governo Regional e sindicatos representantes dos trabalhadores da RIAC.

O grupo parlamentar do PSD/Açores propôs hoje ao Governo Regional que inicie negociações com os sindicatos representativos dos trabalhadores da Rede Integrada de Apoio ao Cidadão (RIAC), de modo a que estes funcionários tenham uma carreira própria.

Num projeto de resolução entregue esta sexta-feira na Assembleia Legislativa dos Açores, os social-democratas recomendam ao Governo Regional que “inicie um processo negocial com as organizações representativas dos trabalhadores, nos termos da lei, que permita a dignificação e valorização profissional dos assistentes administrativos da RIAC”.

“Os cerca de 130 assistentes administrativos da RIAC têm tarefas e competências cada vez mais abrangentes, complexas, exigentes e de grande responsabilidade, que vão muito além do conteúdo funcional previsto para a carreira do regime geral de assistente técnico, em que se encontram atualmente integrados. Tudo isto sem que haja a correspondente valorização salarial”, referiu o deputado Bruno Belo.

O parlamentar do PSD/Açores lembrou que os assistentes administrativos da RIAC “há muito que reivindicam o direito a uma carreira justa, que valorize o seu trabalho e reconheça que as tarefas que desempenham têm reflexo positivo na vida dos açorianos”.

“Refira-se, a título de exemplo, que os assistentes administrativos da RIAC emitem cartões de cidadão, passaportes, pagam pensões, prestam apoio no preenchimento de declarações de rendimentos para o IRS. Em suma, garantem o acesso dos cidadãos a diferentes serviços na Administração Pública”, frisou.

Segundo Bruno Belo, os trabalhadores da RIAC merecem ser reconhecidos e valorizados, “em virtude do conjunto vasto de funções que lhe são exigidas, das responsabilidades acrescidas que daí resultam e da complexidade de que se revestem, o que os obriga a uma permanente formação e atualização profissionais”.

“Os assistentes administrativos da RIAC desempenham as suas tarefas com grande empenho e espírito de serviço público, perante uma incompreensível atitude de desrespeito e de ausência de diálogo do Governo Regional dos Açores”, afirmou Bruno Belo.