PSD critica Governo dos Açores e Atlânticoline sobre operação de transporte marítimo

O PSD/Açores acusou hoje o Governo açoriano e a Atlânticoline de “falta de profissionalismo” na preparação da operação sazonal de transporte marítimo de passageiros, vincando que o adiamento da chegada de um dos navios demonstra “amadorismo”.

A Atlânticoline, empresa de transportes marítimos pública dos Açores, anunciou na terça-feira que fretou o navio Aqua Jewel para assegurar a operação de verão, depois de o armador do Azores Express ter rescindido o contrato.

Citado numa nota de imprensa divulgada pelo PSD, o deputado social-democrata açoriano Marco Costa sustenta que “todas as decisões sobre a operação do verão de 2019 deveriam ter sido tomadas com a devida antecedência, por forma a lidar com eventuais imprevistos”.

Nesse sentido, prossegue, “é flagrante a falta de profissionalismo do Governo Regional e da administração da Atlânticoline. Os açorianos voltam a ser prejudicados com o amadorismo desta governação socialista”, remata.

Para o deputado, as “sucessivas trapalhadas da governação de Vasco Cordeiro [presidente do Governo dos Açores] põem em causa a mobilidade dos açorianos e o desenvolvimento do turismo em muitas ilhas, em especial as mais pequenas”.

“A operação de verão do transporte marítimo de passageiros perde toda a credibilidade perante os operadores turísticos, dado que, durante meses, é prometido um determinado navio cuja operacionalidade, afinal, nunca foi confirmada”, refere Marco Costa, sustentando que os açorianos já perderam a conta aos sucessivos incidentes em torno do transporte marítimo de passageiros, apesar das dezenas de milhões de euros dos contribuintes gastos pelo Governo”, diz também.

O deputado social-democrata frisa ainda que “o Governo Regional é reincidente na falta de capacidade de planeamento, como também se comprova pelos diferentes concursos anulados para a construção de novos navios de transporte de passageiros”.

Em comunicado, a Atlânticoline explicou que, “apesar de todos os esforços e empenho” da empresa “para garantir o navio Azores Express na operação sazonal de 2019, tal não foi possível, uma vez que o armador, face aos sucessivos atrasos no cumprimento das suas obrigações contratuais, apresentou a rescisão do contrato no passado dia 09 de junho”.

Habitualmente, a operação de verão de transporte de passageiros e viaturas da Atlânticoline é feita com recurso a dois navios, um rápido e um convencional, que ligam todas as ilhas dos Açores, exceto o Corvo.

No final de maio, a empresa já tinha anunciado a antecipação da operação do barco rápido Megajet para cobrir o atraso do navio convencional Azores Express, alegando que este aguardava por certificação.

A Atlânticoline estima que o navio convencional Aqua Jewel, do grupo Seajets, parta hoje da Grécia rumo aos Açores e que “entre em operação ao serviço da Atlânticoline no próximo dia 22 de junho, reforçando a cobertura das próximas festividades concelhias – as Sanjoaninas”, que se realizam de 21 a 30 de junho, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

Só com o Megajet a funcionar, a empresa irá “implementar um conjunto de procedimentos de alteração dos horários”, a partir de sexta-feira, para tentar “minimizar o impacto da falta de um navio convencional durante este período”.

No mesmo comunicado, a empresa assegurou que “aos clientes afetados por essas alterações, com o título de viagem já adquirido, será dada como alternativa a possibilidade de reembolso integral do respetivo valor ou o reencaminhamento para as viagens nos novos horários, conforme a sua vontade” e explicou que “irá encetar os procedimentos legais contratualmente previstos face à rescisão do armador do navio Azores Express, para minorar os impactos negativos causados”.