Segundo uma nota de imprensa, com esta iniciativa, os deputados social-democratas pretendem confrontar o executivo com a “inação governativa” perante o problemas do consumo de drogas e outras dependências nos Açores.

O documento foi elaborado pela Universidade dos Açores, por solicitação da Secretaria Regional da Saúde, na sequência de uma resolução aprovada na Assembleia Legislativa dos Açores.

Para o deputado social-democrata Carlos Ferreira, aquele estudo revela que o fenómeno das dependências “tem vindo a agravar-se nos Açores, em contraciclo com o resto do país”.

O estudo, que já foi entregue na Assembleia Legislativa dos Açores, analisou uma amostra mais alargada do que inicialmente previsto pelo Governo Regional, passando de um universo de 2.000 para 12.000 jovens.

Na apresentação do estudo, em julho, a secretária regional da Saúde disse que, além de permitir compreender melhor o fenómeno, o documento “aponta uma série de medidas que estão em linha com o Plano Regional de Ação de Intervenção em Comportamentos Aditivos”, que está a ser implementado sob a coordenação da Direção Regional da Prevenção e Combate às Dependências.

Segundo Teresa Machado Luciano, uma das grandes conclusões deste estudo é a “identificação muito clara da necessidade de uma abordagem transversal a toda a sociedade, através do envolvimento dos domínios comunitário, escolar e familiar, ao nível da prevenção de comportamentos aditivos com a participação comunitária na definição das mesmas”.