PS/Açores critica “azedume” do PSD por contraste com “maturidade” de CDS e PCP

Isabel Rodrigues

O PS/Açores elogiou hoje o “sentido de responsabilidade” e a “maturidade” de CDS-PP e PCP, partidos da oposição que apresentaram “propostas construtivas” para o Orçamento regional, criticando os socialistas o “azedume e pessimismo militante” do PSD.

“Partidos como o CDS-PP e o PCP, apesar das diferenças existentes, souberam pôr, em primeiro lugar, o interesse dos Açores e dos açorianos, dando, a nosso ver, uma excelente lição de maturidade política ao PSD/Açores, que, instalado confortavelmente no seu estatuto de maior partido da oposição, se autoexcluiu do diálogo e do processo político de construção de soluções”, acusou hoje a socialista Isabel Rodrigues.

A dirigente do PS falava em Ponta Delgada, numa conferência de imprensa sobre o Plano e Orçamento da região para 2019, aprovado na semana passada no parlamento dos Açores com os votos favoráveis do PS, mas também do CDS-PP e do PCP.

O PS, prosseguiu Isabel Rodrigues, “sublinha a circunstância” de o Orçamento “ter sido aprovado por metade das forças políticas representadas no parlamento”, mas as críticas da socialista dirigiram-se em exclusivo ao PSD, não ao Bloco de Esquerda e PPM, que também votaram contra o documento.

“Malgrado o azedume e o pessimismo militante do PSD/Açores, o Plano e o Orçamento para 2019 apresentam soluções e dão resposta aos desafios com que estamos confrontados, nos mais diversos domínios, com a noção exata do sentido e das necessidades existentes em cada uma das nossas nove ilhas, sem dispensar a necessária visão de conjunto fundamental à coesão regional”, prosseguiu a socialista, membro do Secretariado Regional do partido.

Depois, Isabel Rodrigues apresentou alguns indicadores económicos da região, números que “não devem ser minimizados nem desvalorizados”, mas que não representam que tudo esteja bem.

Os programas anunciados pelo Governo Regional de promoção ao emprego, o aumento da remuneração complementar dos funcionários públicos, a criação do programa “Jovem Agricultor” e a abertura do processo negocial com os docentes da região para a recuperação total do tempo de serviço congelado foram outras matérias elogiadas pela socialista.

O Orçamento dos Açores para 2019 tem um valor global de 1.604,8 milhões de euros e pretende ser, diz o executivo regional, um documento de “confiança” e “previsibilidade” no trajeto económico.

Dos mais de 1,6 mil milhões de euros do orçamento, um total de 205,6 milhões de euros diz respeito a operações extraorçamentais.

“Prevê-se que as despesas de funcionamento dos serviços e organismos da administração regional atinjam os 887,5 milhões de euros, sendo financiadas quase integralmente pelas receitas próprias, que se estimam em 742,3 milhões de euros, o que corresponde a uma taxa de cobertura de 83,6%”, indica o texto.