Proposta do BE para que Vila do Porto deixe de utilizar glifosato aprovada por unanimidade

A Assembleia Municipal de Vila do Porto, por proposta do deputado municipal do BE, Paulo Sanona, aprovou por unanimidade uma recomendação para que a autarquia evite o uso de herbicidas e recuse, em particular, a utilização de glifosato, um composto que a Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro já classificou como “carcinogéneo provável para o ser humano”.

O Bloco de Esquerda pretende, assim, contribuir para um melhor ambiente em Vila do Porto, e para uma melhor qualidade de vida dos seus habitantes.

O glifosato – o herbicida mais utilizado no país e também no planeta – é de fácil acesso, sendo utilizado de forma generalizada na agricultura e nos serviços das autarquias para limpeza dos espaços públicos. Em 2012, por exemplo, foram aplicadas em Portugal 1400 toneladas deste pesticida.

Em 2014, a Quercus e a Plataforma Transgénicos Fora lançaram um apelo público para que as autarquias portuguesas deixem de usar glifosato nos espaços urbanos, alertando para o risco ambiental e para a saúde pública.

O Bloco de Esquerda defende o recurso a meios alternativos para a limpeza dos espaços públicos, nomeadamente, através de processos mecânicos, térmicos, manuais ou outros. Estas alternativas já existem.

“Santa Maria deve deixar de utilizar o glifosato, juntando-se à linha da frente da proteção do ambiente e da saúde da população”, assinalou Paulo Sanona.