Projeção dos Açores no exterior passa pela cultura

O Governo dos Açores, visando a projeção da Região no exterior através da sua cultura, associa-se às comemorações do Ano Europeu do Património Cultural com a realização de uma série de iniciativas em diversos países, mas desenvolvendo também ações nas nove ilhas do arquipélago para promover nos Açorianos a consciência identitária da cultura europeia.

Nesse sentido, terça-feira, 27 de fevereiro, decorrem as primeiras ações na ilha de Lanzarote, numa parceria com o Governo das Canárias e a Fundação José Saramago, nas quais estará presente o Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas, aproximando assim a Região à Macaronésia e às Canárias, em particular, na sequência da Cimeira entre as duas Regiões.

Rui Bettencourt participa, com o Vice Conselheiro do Governo das Canárias, David Chinea, no encontro “Açores, um lugar de todo o mundo”, entre o escritor açoriano João de Melo e alunos do Ensino Secundário, que tem lugar na Biblioteca Insular de Lanzarote.

O Secretário Regional participa também na conversa literária entre João de Melo e Pilar del Rio, que contará também com a presença do Secretário do Turismo, Isaac Castellano San Ginés, e do Subsecretário das Relações Externas das Canárias, Luis Padillo Macabeo, sobre “Os Açores e a insularidade” e “A ideia da ilha na obra de José Saramago”, que terá lugar na Casa José Saramago.

Esta ação encerra com um diálogo instrumental entre a viola da terra dos Açores e o timple canarino, com o açoriano Ricardo Melo e o canarino Benito Cabrera.

Ainda relativamente às ações no exterior, destaque para a mostra expositiva “Antero (1842-1891)” e para a estreia de um vídeo documental com testemunhos de diversos especialistas da sua obra, numa parceria com a Casa dos Açores de Lisboa, que visa assinalar o 176.º aniversário do poeta e que, ao longo do tempo de permanência da mostra na capital portuguesa, também promoverá serviço educativo junto de algumas escolas de Lisboa.

Destaque ainda para a realização de uma exposição de fotografia em Bruxelas, que visa dar a conhecer o património natural e a modernidade dos Açores, divulgando os trabalhos de fotógrafos açorianos, bem como para a promoção da dança contemporânea e do espetáculo multimédia “Açores, uma jornada de sonho”, com direção artística de Milagres Paz, vídeo de Hugo França e música de Paulo Andrade e Mário Jorge Raposo.

Por outro lado, também estão previstas algumas ações na Diáspora, nomeadamente em parceria com a Casa dos Açores de Santa Catarina, com a itinerância da exposição “Antero de Quental e Vitorino Nemésio: verbos vivos da cultura açoriana”, e no Rio de Janeiro, cuja Casa dos Açores, a primeira no estrangeiro, teve Nemésio como um dos fundadores, em 1953, cidade onde será lançada uma publicação anual cujo primeiro número é dedicado ao poeta terceirense, no ano em que se assinalam os 40 anos da sua morte.

No que diz respeito às ações a desenvolver no arquipélago, será intensificado o programa “Cidadania Europeia” com ações em todas as ilhas, dando a conhecer a história e os valores da União Europeia, entre outros aspetos, como os contos tradicionais da narração oral europeia, como parte do património imaterial, além da realização de um concurso multimédia subordinado à temática do património cultural e natural, que se destina a alunos do ensino secundário e profissional.

A 9 de maio será a ilha do Pico a acolher as comemorações do Dia da Europa na Região, apresentando um programa comemorativo com ações diversificadas nos três concelhos da ilha e que pretendem valorizar o património cultural baleeiro e a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, sítio classificado pela UNESCO desde 2004, muito embora todos os concelhos da Região também assinalem este dia.

Com estas iniciativas, o Governo Regional visa reforçar a projeção dos Açores no exterior, através da cultura, seja a nível nacional ou internacional, não descurando um trabalho assente nas questões europeias na Região e no património cultural europeu, dando a conhecer o que se faz, mas também explorando alguns aspetos ligados à própria identidade dos Açorianos.