PUB

O Programa do novo Governo dos Açores (PSD/CDS/PPM) foi hoje aprovado na Assembleia Legislativa Regional com 29 votos a favor e 28 votos contra.

O documento, que foi discutido entre quarta-feira e hoje, foi votado favoravelmente pelos deputados dos três partidos que formam o executivo (21 do PSD, três do CDS e dois do PPM), pelos dois deputados do Chega e pelo parlamentar da Iniciativa Liberal, partidos que viabilizam no hemiciclo açoriano o executivo.

Os 25 deputados do PS, os dois do Bloco de Esquerda e o parlamentar do PAN votaram contra o documento.

O anúncio da votação mereceu um aplauso de pé dos membros do Governo Regional e dos parlamentares dos três partidos que formam o executivo.

PUB

O presidente do Governo dos Açores garantiu que não vai recusar propostas “à partida”, “venham elas de onde vierem”, mas garantiu que vai governar apenas com o dinheiro disponível.

Governaremos com o dinheiro que tivermos. Não vamos é fingir que temos o dinheiro que não temos“, declarou o social-democrata, falando no parlamento açoriano, na Horta.

Os dois deputados do Chega aplaudiram também a votação, embora sentados, e o parlamentar da Iniciativa Liberal não bateu palmas no momento.

O novo Governo Regional dos Açores, liderado por José Manuel Bolieiro, do PSD, tomou posse no final de novembro na Assembleia Legislativa da região, na Horta.

O Programa do novo Governo dos Açores, que tem Artur Lima (CDS-PP) como vice-presidente, reconhece que a região “vive uma situação económica e social delicada” e admite que a pandemia agravou “debilidades” nesses dois campos.

“A Região Autónoma dos Açores vive uma situação económica e social delicada, agravada pelas consequências da pandemia por SARSCoV-2, que se projeta, de forma dramática, na vida das pessoas e das empresas, agravando a debilidade empresarial e condicionando o desempenho da região e das suas indeclináveis responsabilidades na proteção dos mais desfavorecidos”, diz o executivo no documento.

De acordo com o Governo Regional, “a estabilidade política decorrente de uma maioria plural no plano parlamentar tem de traduzir-se numa governação que permita aos Açores terem ganhos substanciais em relação aos indicadores médios da União Europeia e uma diminuição do peso do Estado e da região na economia e na sociedade”.

O PS perdeu em outubro, mas legislativas regionais, a maioria absoluta que detinha há 20 anos, elegendo 25 deputados.

PSDCDS-PP e PPM, que juntos representam 26 deputados, assinaram um acordo de governação. A coligação assinou ainda um acordo de incidência parlamentar com o Chega e o PSD um acordo de incidência parlamentar com o Iniciativa Liberal, somando assim o número suficiente de deputados para atingir uma maioria absoluta (29).

Pub