Presidente do Hospital de Angra quer esclarecer verdade sobre transporte de doentes

A presidente do Hospital de Angra do Heroísmo disse hoje esperar que em sede de inquérito a “verdade seja integralmente reposta” sobre o caso de eventual favorecimento numa operação de transporte de doentes.

“As acusações são gravíssimas e põem em causa a minha dignidade profissional, que sempre se pautou por servir a causa pública, tendo como pilares o Serviço Nacional de Saúde e o Serviço Regional da Saúde, de tal modo que em 2005 encerrei o meu consultório privado para me dedicar apenas e em exclusivo ao serviço público”, diz Olga Freitas, em missiva endereçada à agência Lusa.

Na terça-feira, o presidente do Governo dos Açores instruções para que seja aberto um inquérito “urgente” que, até fim do mês, esclareça se houve interferência da presidente do Hospital de Angra numa operação de evacuação de doentes.

“Considero, sem margem para dúvida, imperativo e imprescindível o apuramento detalhado e exaustivo de todas as circunstâncias que rodearam esta situação”, diz o despacho de Vasco Cordeiro.

Em causa está uma notícia do Diário dos Açores, reportando que a administradora do Hospital de Angra interferiu numa operação de evacuação de doentes, obrigando um helicóptero da Força Aérea a transportar um doente seu familiar da ilha de São Jorge, quando a equipa médica tinha optado por transportar, primeiro, um doente da Graciosa.

Hoje, Olga Freitas, que assina a nota como “cidadã e médica”, diz serem “profundamente injustas as acusações” que lhe são dirigidas “por pessoas que desconhecem os factos e razões”.

E concretiza: “Não cometi qualquer ilegalidade (…) não poderei deixar de cumprir o Juramento de Hipócrates, assim sempre que alguém solicitar o meu parecer, seja ele familiar ou não, não o vou recusar, tal como aconteceu naquela noite”.

O episódio, que terá sucedido em fevereiro de 2017, motivou uma queixa por escrito ao Serviço Regional de Proteção Civil e remetida para a secretaria da Saúde, que optou por não a remeter para a Inspeção Regional de Saúde, esclarece o jornal.

O PSD/Açores anunciou também já que vai requerer a audição do secretário da Saúde, pedindo um “esclarecimento cabal” da alegada interferência da presidente do Hospital de Angra “numa operação de evacuação de doentes para benefício de um familiar seu”.

Além da audição ao secretário regional da Saúde, Rui Luís, os sociais-democratas vão requerer também a audição na comissão de Assuntos Sociais do parlamento da presidente do Conselho de Administração do Hospital de Angra do Heroísmo, da médica reguladora, da médica da equipa de evacuação e do presidente do Serviço Regional de Proteção Civil dos Açores.