Pub

Maria José Lemos Duarte afirmou que as obras galardoadas com o Prémio Literário Natália Correia, “Ascensor de Sombras”, de José Pedro Leite, vencedora do Prémio, e “Ecocardiodrama”, de Alberto Pereira, que recebeu a única Menção Honrosa do júri, “personificam o melhor da produção poética em Língua Portuguesa da atualidade”.

A Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada falava hoje na cerimónia de entrega do Prémio Literário, instituído e organizado pela autarquia, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho e na qual estiveram presentes os dois poetas, além do Vereador da Cultura, Paulo Mendes, da representante do júri, Ângela de Almeida, e convidados.

Segundo a autarca, “a densidade dos universos que convocam e temáticas que exploram, a riqueza das imagens que criam e a singularidade da sua escrita” atestam a “inequívoca consistência poética” das duas obras, agora reconhecidas por um Prémio Literário que se propõe “premiar a excelência da produção literária em Língua Portuguesa”.

“Cumpriu-se, pois, um dos propósitos da Câmara Municipal de Ponta Delgada para criar e organizar este Prémio Literário”, afirmou a Presidente, expressando o seu “público reconhecimento e gratidão a cada um dos membros do júri do Prémio Literário: Ângela de Almeida, Diniz Borges, Lélia Nunes, Luís Filipe Sarmento e Vera Duarte Pina.

Pub

“A vossa disponibilidade para fazer parte desta homenagem a Natália Correia foi a garantia de que este Prémio afirmar-se-ia também pela credibilidade, pela seriedade e pelo rigor dos seus jurados”, afirmou. Candidataram-se ao Prémio Literário Natália Correia mais de 600 obras redigidas em Língua Portuguesa de autores de vários países.

O autor da obra galardoada, José Pedro Leite, recebe um prémio no valor de 7500 euros e a publicação, pelo Município de Ponta Delgada, da primeira edição da obra vencedora.

O Prémio Literário Natália Correia está integrado no âmbito das celebrações municipais do centenário do nascimento de Natália Correia (1923-1993), em 2023, “figura maior do pensamento e da cultura portuguesa contemporânea, cuja sua pertença a Ponta Delgada nos enche a todos de orgulho”, afirmou Maria José Lemos Duarte.

A Presidente da autarquia assumiu ainda que a evocação do legado e a valorização do património material e imaterial por referência a Natália Correia “é uma responsabilidade que o Município de Ponta Delgada tem vindo a prosseguir com a determinação e o respeito que se exige numa missão tão grandiosa como grande era Natália”.

Pub