“Defende-se a rápida testagem de toda a população da ilha (cerca de 460 pessoas), com testes por PCR, e a introdução de medidas gerais de confinamento, salvaguardando as exceções necessárias no âmbito dos setores produtivos essenciais”, avançou o líder da bancada parlamentar do PPM, eleito pelo círculo eleitoral do Corvo, Paulo Estêvão, em comunicado de imprensa.

O PPM integra junto com PSD e CDS-PP a coligação que formou Governo Regional nos Açores, em novembro.

A ilha do Corvo, a mais pequena dos Açores, era a única do arquipélago que ainda não tinha registado qualquer caso de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

O comunicado da Autoridade de Saúde Regional dos Açores de hoje reporta um caso no Corvo, referente a um residente na ilha que foi testado no rastreio realizado ao sexto dia aos passageiros que cheguem de fora do arquipélago ou da ilha de São Miguel, que está em situação de “alto risco” de transmissão.

Segundo Paulo Estêvão, “tendo em conta as características muito específicas da ilha”, o PPM defende que “devem ser tomadas, de imediato, medidas enérgicas que diminuam os riscos de propagação da pandemia”.

O deputado monárquico alertou para a “fragilidade dos meios de saúde instalados” na ilha, acrescentando que a população é “muito envelhecida”, está concentrada “numa única povoação” e tem uma “grande interação social”.

“Deve ser revisitado o plano de reforço dos meios de saúde necessários para enfrentar um possível surto da pandemia na ilha e novamente verificados os planos de evacuação das situações mais graves”, sublinhou, apelando ao Governo Regional para que aja “com a determinação necessária”.

Os Açores têm atualmente 588 casos positivos ativos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, dos quais 556 em São Miguel, 27 na Terceira, dois no Pico, um no Faial, um nas Flores e um no Corvo.

Desde o início do surto, foram detetados 3.366 casos de infeção por SARS-CoV-2 nos Açores, tendo-se verificado 23 óbitos e 2.656 recuperações.