Pub

O PPM/Açores enalteceu hoje decisões do executivo regional, como a reestruturação do setor público empresarial, o reforço dos apoios sociais, a redução dos impostos e o “salvamento” da SATA, criticando as anteriores governações do PS.

Numa intervenção no final do debate do Plano e Orçamento para 2023, na Assembleia Legislativa, na Horta, o líder do PPM/Açores, Paulo Estêvão, elogiou a atuação do executivo açoriano (PSD/CDS-PP/PPM) e evocou as “dívidas” deixadas pelos 24 anos de governação socialista, aludindo à história da figura mitológica de Hércules.

“Nesta minha adaptação, as éguas carnívoras correspondem ao aparelho que o PS montou, durante 24 anos em toda a região. Um aparelho que comeu quase tudo e deixou muito pouco para os mais desfavorecidos”, assinalou o deputado.

Em contrapartida, Paulo Estêvão lembrou a redução fiscal promovida pelo atual executivo, que baixou os impostos ao mínimo permitido pela Lei de Finanças Regionais.

“Estrangulámos os impostos nos Açores. Mantemos os impostos no mínimo possível. Mas, aqui, podem crer, foi necessário vencer toda a determinação do deputado Vasco Cordeiro [PS] em manter o pesado tributo que ele próprio nos legou”, salientou, criticando as “empresas públicas ruinosas” que serviam para “colocar políticos socialistas” e que atuavam num “variadíssimo conjunto de trabalhos domésticos da economia de planificação quinquenal socialista”.

“Já se cortaram várias cabeças desta serpente luxuosa, como a Azorina, a SINAGA, a SDEA, Santa Catarina e está para breve o fim das Ilhas de Valor. Trata-se de uma poupança de milhões de euros”, afirmou, referindo-se a empresas extintas pelo executivo açoriano.

O deputado elogiou ainda o aumento de 15% no complemento regional de pensão, no COMPAMID (programa de apoio à aquisição de medicamentos pelos idosos), na remuneração complementar e na comparticipação diária atribuída aos doentes do Serviço Regional de Saúde deslocados e acompanhantes.

Paulo Estêvão criticou também a herança deixada pelo PS na companhia aérea SATA, que deixou “400 milhões de euros de prejuízos”.

“Este Governo salvou a SATA, criou a tarifa Açores e multiplicou o número de ligações aéreas para números nunca vistos. Grande trabalho. Trabalho superado”, realçou.

O Orçamento dos Açores para 2023, de cerca de 1,9 mil milhões de euros, começou na segunda-feira a ser debatido no plenário da Assembleia Legislativa Regional.

O atual Governo dos Açores, de coligação PSD/CDS-PP/PPM e com o apoio parlamentar de Chega, IL e deputado independente, tomou posse em novembro de 2020, após 24 anos de governação socialista na região.

Pub