Portugal autorizado a completar reembolso antecipado ao FMI

O Mecanismo Europeu de Estabilidade anunciou hoje que decidiu aprovar a renúncia ao reembolso antecipado de Portugal do empréstimo do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), permitindo assim o reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Numa nota hoje divulgada, o fundo de resgate único da zona euro aponta que o Conselho de Administração do FEEF, um dos três credores oficiais do programa de ajuda externa a Portugal (2011-2014), “decidiu hoje renunciar ao reembolso obrigatório dos empréstimos” concedidos ao país ao abrigo deste fundo, “permitindo a Portugal prosseguir com o reembolso antecipado do seu empréstimo do FMI”, como era desejo expresso do Governo português.

Em contrapartida, Portugal compromete-se a pagar antecipadamente ao FEEF até 2 mil milhões de euros entre 2020 e 2023, depois de pagar a totalidade do empréstimo ao FMI, sendo que este compromisso está “sujeito às condições de mercado e ao impacto na sustentabilidade da dívida”, a ser avaliado na altura.