Num comunicado divulgado esta segunda-feira, a CDU/Açores criticou a ação governativa regional e autárquica socialista no concelho das Lajes do Pico, acusando o executivo açoriano e o município de “apatia” e “promessas ocas”, apontando, por exemplo, para “falta de infraestruturas de apoio aos pescadores e às empresas marítimo-turísticas” no Porto das Lajes e “falta de planeamento entre a Câmara Municipal e o Governo Regional”.

Em resposta, a Porto dos Açores afirmou que “está firmemente empenhada na melhoria de condições de operacionalidade e segurança dos espaços portuários, como aliás se tem provado pelos sucessivos e permanentes investimentos produzidos por todas as infraestruturas que estão sob sua gestão, nas nove ilhas do arquipélago”.

No caso do Porto das Lajes do Pico, “a situação não é diferente”, lê-se num comunicado, salientando a empresa que aquele “é um espaço com características muito peculiares, sem paralelo na região, não só em face da configuração da bacia portuária como das condições naturais de acesso difícil ao canal de navegação para entrada no porto”.

A Portos dos Açores recordou que o porto em causa “viu, no final do ano passado, o seu sistema de balizagem ser arrastado e danificado em consequência dos temporais de novembro último”, situação que “foi, entretanto, ultrapassada, com tal sistema reposto e a funcionar em pleno”.

Relativamente à alegada falta de infraestruturas de apoio, criticada pela CDU, a empresa referiu que “estão a ser desenvolvidos contactos” para a instalação de um posto de abastecimento de combustível com “representantes locais das empresas de fornecimento de combustíveis para definir uma parceria que satisfaça as necessidades dos operadores e pescadores que utilizam aquele porto”.

A Portos dos Açores assegurou ainda que “realiza com permanência, naquela infraestrutura e em qualquer outra sob sua gestão e exploração, a manutenção de cais, terraplenos e equipamentos de serviço portuário”, prevendo “executar, a curto prazo, vários investimentos no porto das Lajes do Pico, entre os quais diversas melhorias no cais de receção, colocação de novos cabeços e argolas de amarração, bem como escadas quebra-costas”.

Está, ainda, “a ser avaliada a necessidade de colocação de mais pontões flutuantes que permitam, nos meses de Verão, a acostagem de embarcações de recreio que passam ao largo da baía das Lajes do Pico”, acrescentou.