Ponta Delgada vai ser palco de encontro literário “Arquipélago de Escritores”

Em novembro, Ponta Delgada vai ser palco da primeira edição do encontro literário “Arquipélago de Escritores”, revelou o Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro.

O novo evento cultural vai ser promovido pela Câmara Municipal de Ponta Delgada e produzido pelo conceituado escritor Nuno Costa Santos, estando prevista a participação de dezenas de escritores regionais, nacionais e internacionais.

Como referiu o edil, o evento visa a promoção do livro e da leitura, indissociáveis da Cultura e do desenvolvimento.

O anúncio foi feito pelo Presidente durante a inauguração da “II Festa do Livro dos Açores”, evento que tem lugar em Ponta Delgada até 29 de julho, numa iniciativa da Câmara Municipal e da Câmara do Comércio e Indústria com o apoio da Portos dos Açores.

O evento privilegia os livros de autoria, temática ou edição relacionadas com os Açores  e apresenta-se como uma oportunidade de encontrar títulos que não estão habitualmente disponíveis no mercado livreiro local e regional.

Estão calendarizados dez lançados de livros, sendo que estão disponíveis mil títulos, num total de mais de 10 mil livros.

José Manuel Bolieiro destacou o caráter cívico, empresarial e cultural da iniciativa, que acontece em período de época alta e é de dimensão regional, e conta com a participação da Direção da Cultura, Instituto Cultural de Ponta Delgada, Publiçor, Letras Lavadas, Leya Sol Mar, Bertrand e Servensino.

“Estamos perante um ato de cultura e uma atividade de valorização da capacidade instalada e da oportunidade de proporcionar um encontro entre a cultura, o livro, os leitores, os autores e os empresários”, afirmou o edil.

O autarca reiterou a aposta em fazer da cidade de Ponta Delgada “não apenas um lugar de receção e contemplação, mas também um lugar de atividades que enalteçam a componente cultural e cívica da cidadania a quem nos visita e a quem aqui reside”.

Acrescentou ainda importância de, com vista a engrandecer as iniciativas e criar sinergias, a Câmara Municipal estabelecer parcerias com outras entidades públicas e privadas.

A “II Festa do Livro dos Açores” visa contribuir para a diversificação da oferta turística, incentivar hábitos de leitura, promover o livro, valorizar os autores açorianos e apoiar o mercado livreiro.

Inaugurada hoje, no Passeio Marítimo em frente às Portas da Cidade, é de acesso é livre e estará aberta entre as 19h00 e as 23h00.

Para além da componente de exposição e de venda a preços especiais, terão lugar dez lançamentos de livros, potenciando a relação entre autor, livro e leitor.

Assim, a 14 de julho às 19h00 será lançado o livro “Corpo de Ilhas”, de Lélia Pereira Nunes, com apresentação de Vamberto Freitas.

A 16 de julho, às 19h00, terá lugar o lançamento do livro “A Epopeia da Retórica e a Voz do Palco na Obra de Antifone de Atenas”, de Anna Silva, e, no dia seguinte, também às 19h00, Sebastião Carlos da Costa Brandão e Albuquerque lança “Narrativas Insulanas”.

A 19 de julho, às 19h00, é lançado o livro “O Papel da Justiça do Menor na União Europeia”, de Rita Figueiredo Reis Rola, com apresentação de José Manuel Bolieiro.

No sexta, às 19h00, é lançada a reedição de “O Explorador Micaelense Roberto Ivens”, de Manuel Ferreira, com apresentação de José Ferreira Almeida, e no sábado, às 19h00, o destaque vai para “Para além das Nuvens – Aves dos Açores”, de Carlos Ribeiro, e com apresentação de José António Rodrigues.

Na terça-feira, é lançado “A Descendência do 1.º Visconde do Botelho”, de António Ornelas Mendes, com apresentação de José Reis Leite, e na quarta é lançado “Sorriso por Dentro da Noite”, de Adelaide Freitas, com apresentação de Álamo Oliveira. Ambos os lançamentos têm lugar às 19h00.

Na quinta-feira, 26 de julho, às 19h00, tem lugar o lançamento do livro “a Revolução Liberal de 1821 nos Açores”, de Luís Linhares, com apresentação de Carlos Melo Bento.

Por fim, no sábado, às 11h00, é apresentado o “Roteiro de Ponta Delgada”, de José de Almeida Mello, com apresentação de Luís Daniel, no lado norte da Igreja Matriz.