PM espanhol propõe pacto para que governe o que ganhar eleições sem maioria absoluta

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, propôs hoje no início do debate televisivo entre os principais candidatos às legislativas do próximo domingo um pacto entre os partidos para permitirem que o partido mais votado governe em minoria.

“Temos de acabar com o bloqueio político. Proponho, se se mantiver o bloqueio, que se respeite a governação da lista mais votada”, propôs Pedro Sánchez, líder do PSOE, aos outros quatro líderes partidários presentes no debate: Pablo Casado (PP, direita), Albert Rivera (Cidadãos, direita liberal), Pablo Iglesias (Unidas Podemos, extrema-esquerda) e Santiago Abascal (Vox, extrema-direita).

Por seu lado, o candidato do PP advertiu que, embora haja cinco líderes no debate eleitoral, na realidade existem apenas “duas possibilidades” de formar um governo, o seu próprio partido e o PSOE, insistindo na necessidade de votar naquele que saberá como formar “um governo real”.

Os estudos de opinião publicados nos últimos dias dão a vitória ao PSOE, mas a perder força em relação às eleições de 28 de abril último, com o bloco de partidos de direita ligeiramente à frente dos de esquerda, sem que nenhum deles possa, aparentemente, desbloquear o impasse político que se vive no país.

A maior variação de votos é feita entre os partidos de direita, com o Cidadãos a perder uma parte substancial dos seus apoios a favor do PP e do Vox.

Os cinco candidatos esperam que o debate de hoje possa convencer a votar no seu partido a maior parte possível dos 30 por cento de espanhóis que as sondagens indicam ainda estarem indecisos a menos de uma semana das eleições.