PCP/Açores diz que é fundamental valorizar os médicos do Serviço Regional de Saúde

O PCP Açores diz que, com base num relatório do IRAP, os médicos do Serviço Regional de Saúde terão supostamente recebido honorários e compensações maiores do que lhes eram devidos.

Os pagamentos foram feitos pelas Unidades de Saúde de Ilha que agora estão a exigir aos médicos que devolvam o que receberam a mais em consequência desse erro.

O PCP Açores considera, perante a situação que está colocada aos médicos, em particular aos especialistas de medicina geral e familiar, que esta bizarra situação poderá significar um importante desincentivo à permanência destes profissionais e à vinda de novos médicos, o que viria a agravar a já deficitária cobertura dos cuidados de saúde primária à população açoriana.

Num quadro em que se começam a verificar carências de outros profissionais, em particular professores, e quando se retoma a discussão pública sobre a necessidade de regulamentar e aperfeiçoar os mecanismos de fixação de pessoal docente e médico, em regime de exclusividade, o IRAP e o Governo Regional navegam contra a corrente, ou seja, contra os interesses do povo açoriano, dificultando o acesso a direitos básicos como sejam a educação e a saúde.

O PCP Açores considera que a questão dos supostos pagamentos indevidos aos médicos deve ser, não só cabalmente esclarecida pelo Governo regional, mas também alvo de entendimentos que não coloquem em causa o bem-estar e a qualidade de vida dos açorianos de todas as ilhas, designadamente na área da saúde.

O PCP Açores exorta o Governo regional a apresentar não só os devidos esclarecimentos sobre o relatório do IRAP, mas também a apresentar soluções para a resolução dos problemas que daí possam vir a resultar.

O PCP Açores está disponível para, no quadro institucional onde está representado, vir a apresentar ou a apoiar iniciativas legislativas que clarifiquem, aprofundem e aperfeiçoem os incentivos à fixação de profissionais de saúde e de docentes.