Pub

O debate sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional do Governo (PSD/CDS-PP/PPM) começou no plenário na quinta-feira, foi suspenso para análise das propostas de alteração do PAN, contando também com mudanças apresentadas pelo PS, e foi aprovado por unanimidade na generalidade e em votação final global.

O documento aprovado “estabelece medidas para a redução do consumo de produtos de utilização única e a promoção da reutilização e reciclagem”, numa “transposição de legislação europeia para o ordenamento legislativo regional”, como explicou o secretário regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Alonso Miguel.

A proposta visa a proibição da colocação, no mercado regional, de “produtos de plástico de utilização única” como cotonetes, “talheres, designadamente garfos, facas, colheres e pauzinhos”, pratos, palhas, agitadores de bebidas e varas concebidas para serem fixadas a balões.

Ficam ainda vedados ao mercado regional “recipientes para alimentos feitos de poliestireno, expandido, ou seja, recipientes como caixas, com ou sem tampa”, bem como “recipientes para bebidas” do mesmo material.

Pub

É ainda “proibida a colocação, no mercado regional, de qualquer produto cujo componente estrutural principal seja plástico oxodegradável.

“Nos estabelecimentos e outros locais onde se realizem atividades de comércio a retalho, é proibida a disponibilização ao consumidor de sacos de plástico de utilização única para embalagem primária de produtos vendidos a granel, com exceção da carne, peixe e seus derivados”, lê-se no decreto.

Aqueles estabelecimentos “devem promover a disponibilização ao consumidor, no local de venda, de alternativas de embalagem para os produtos a granel”, é acrescentado.

Os sacos de plástico disponibilizados ao consumidor passam a ter um custo de 10 cêntimos.

“Por outro lado, e com vista à promoção da reciclagem, cria-se um sistema de depósito de embalagens não reutilizáveis de bebidas”, é ainda referido no diploma.

Pub