PAN/Açores questiona Governo Regional sobre obras que podem comprometer 600 plátanos  

O PAN/Açores questionou hoje o Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) sobre as obras na Alameda dos Plátanos, no concelho da Povoação, em São Miguel, alegando que podem “comprometer a integridade e sobrevivência” de 600 árvores.

“As prioridades deste Governo ficam ostentadas nesta imprudente intervenção. Num ato de insensatez e de caráter invasivo, a construção que agora decorre coloca em risco a preservação e sobrevivência do património arbóreo, dilacerando o cenário característico e singular desta alameda”, avançou o deputado único do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), Pedro Neves, citado em comunicado de imprensa.

Em causa estão as obras de requalificação da estrada para melhoria dos acessos agrícolas na Alameda dos Plátanos, da responsabilidade da direção regional das Obras Públicas, que preveem “a construção de bermas em cimento para facilitar o escoamento das águas pluviais”.

PUB

Segundo o PAN/Açores, as obras podem “comprometer a integridade e sobrevivência dos 600 plátanos que compõem aquela alameda”.

“Os vários apelos civis e dos movimentos associativos não podem permanecer mudos, devendo o Governo retratar-se desta empreitada”, frisou Pedro Neves.

Num requerimento entregue hoje na Assembleia Legislativa dos Açores, o deputado único do PAN questionou o executivo açoriano sobre os motivos da intervenção na Alameda dos Plátanos, sobre o impacto que terá “no crescimento e longevidade dos plátanos residentes” e sobre os critérios para a realização de cortes profundos em troncos.

Pedro Neves quer ainda saber se “está prevista a captação e reaproveitamento das águas pluviais” e “quais as técnicas utilizadas para redução da velocidade do caudal das águas pluviais”.

“A construção destas bermas e impermeabilização de parte da via poderá ainda resultar no aumento do fluxo dos cursos de água que desaguam na ribeira da Povoação, que apresenta um histórico de aumentos repentinos do caudal”, resultando “em vários danos ambientais e materiais”, alertou o partido, em comunicado de imprensa.

O PAN/Açores defendeu a classificação da Alameda dos Plátanos como património natural de interesse público regional, “para que seja possível manter o seu traçado original” e para que “as intervenções que ocorram de agora em diante decorram com o singular objetivo de preservar o património existente, satisfazendo os apelos públicos, sob pena de se provocarem danos, estruturais, irreversíveis”.

“A Alameda dos Plátanos é considerada, pelos açorianos, como património paisagístico da nossa região, mas o reconhecimento e classificação como património natural de interesse público regional, não tem, até à data, surtido ressonância legislativa. Sem este efeito protetor, a Alameda dos Plátanos mantém-se à mercê das considerações e decisões governamentais”, salientou o partido.

O PAN acusou ainda o Governo Regional de fazer o que “condenava veementemente” em 2012, quando estava na oposição e o executivo de então, do PS, defendia a “betonização da Alameda dos Plátanos”, travada “em resultado das várias demonstrações públicas consternação e preocupação”.

Pub