Pub

O presidente da Ordem dos Enfermeiros nos Açores alertou hoje que “faltam cerca de 450 enfermeiros” na região, considerando a situação “insustentável”, e pedindo um “recrutamento coerente e atrativo” de profissionais e uma “aposta forte” na formação.

 “Faltam cerca de 450 enfermeiros nos Açores, sendo que atualmente os enfermeiros trabalham acima do horário normal numa proporção de 40% a mais do que deviam, situação insustentável por muito mais tempo”, afirmou o presidente do conselho diretivo regional da Ordem dos Enfermeiros nos Açores, Pedro Soares, citado numa nota de imprensa.

Segundo o comunicado, o dirigente falava na abertura das comemorações do Dia Internacional do Enfermeiro no Hospital Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada.

Pedro Soares defendeu ainda uma “aposta forte na formação” e na “melhoria” das condições de trabalho dos enfermeiros.

“É necessário uma aposta forte na formação base e pós-graduada, num recrutamento coerente e atrativo de Enfermeiros, na promoção da melhoria efetiva das condições de trabalho e criação com urgência de instrumentos de incentivo e de fixação destes profissionais”, declarou.

O enfermeiro considerou ainda que o Sistema Regional de Saúde “carece de uma efetiva integração de cuidados, entre os “cuidados de saúde primários, hospitalares e continuados”.

“Esta integração, que é muito mais do que articulação, dependerá, sobretudo, das intervenções de enfermagem, estando estes profissionais capacitados para a liderança desta mudança de paradigma”, advogou.

Também hoje, no Dia Internacional do Enfermeiro, o secretário da Saúde do executivo de coligação PSD/CDS-PP/PPM, Clélio Meneses, destacou “a coragem, o altruísmo, a dedicação e a vida” dos profissionais de enfermagem.

Aos 1.872 enfermeiros do Serviço Regional de Saúde e para aqueles que exercem a sua atividade nos setores social e privado, assim como na prestação de cuidados assistenciais, Clélio Meneses deixou também “o agradecimento por tudo quanto têm feito pela saúde dos açorianos”.

Pub