Opinião: Rui Teixeira | Um Ano Realmente Novo, precisa-se

Na Etiópia, há uma guerra movida contra o governo constitucional, na qual Europa e EUA estão empenhados, para assegurar os seus interesses económicos e geopolíticos.

Os Talibãs, treinados e armados pelos os EUA nos anos 80, tomaram o poder em meia dúzia de dias. De nada servem as lágrimas de crocodilo: os Talibãs serviram para atacar o governo progressista afegão e as suas conquistas sociais.

Na Líbia, uma complexa e perigosa luta pelo poder estimula o conflito entre fações opostas, onde outros países (com a União Europeia e os EUA à cabeça) apostam em quem lhes dá melhores garantias, onde a vida humana nada vale.

Na Bolívia, em 2019, um violento golpe de estado pretendia dar acesso às maiores reservas de lítio a multimilionários como Elon Musk. O golpe foi derrotado em 2020, mas o país continua sob ameaça.

Pub

Na Palestina, colonos israelitas destroem aldeias e exercem terror sobre civis (a Palestina não tem exército…), para eliminar, pela força, o direito daquele povo à sua existência.

Na Ucrânia, em 2014, um golpe movido por forças abertamente fascistas – herdeiras dos batalhões nazis – instauraram um poder de má memória e agravaram a já frágil situação social e económica. Estes grupos nazis foram aberta e publicamente apoiados pela União Europeia, NATO e EUA.

No Iémen, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, apoiados por Israel e EUA, massacram impunemente e indiscriminadamente para gerar lucros de milhões.

Muitos outros exemplos podiam ser dados. Os conflitos militares multiplicam-se com o objetivo de gerar lucros. O maior negócio mundial continua a ser o das as armas e o da guerra. No chamado século do conhecimento, seria de esperar que as relações humanas e entre países assentassem no diálogo e na cooperação, e não na agressão e na ameaça.

O maior risco do nosso tempo não são as alterações climáticas. Não. As armas nucleares que existem são suficientes para destruir toda a civilização em horas. Nunca os gastos militares foram tão elevados! Nas vésperas da Cimeira para a Democracia, os EUA aprovaram um orçamento de 770 mil milhões de dólares (40% do total mundial) e conseguiram a extradição de Assange, jornalista cujo “crime” foi denunciar os crimes de guerra norte-americanos com documentos secretos.

Não sou utópico ou ingénuo: o exército de um país é necessário. Como disse Sun Tzu, se queres a paz, prepara-te para a guerra. No entanto, no século XXI, exige-se que o desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia, do Conhecimento abram uma época assente em relações mutuamente benéficas entre países considerados iguais em direitos e deveres, no diálogo e na cooperação, na construção conjunta e empenhada de um desenvolvimento que assegure, simultaneamente, o futuro do Planeta e da Humanidade.

Exige-se que caminhemos para o fim das guerras, cujo único motivo é político-económico, por interesses geoestratégicos, como o domínio de recursos naturais. Exige-se o fim dos conflitos, tantas vezes produzidos artificialmente, alimentando ódios, quando se podia escolher alimentar a amizade entre povos.

É urgente que, no imediato, se dê início ao desarmamento nuclear. É possível. Se alguém decidiu construir uma bomba nuclear, também é possível decidir eliminá-la. Da mesma forma, é possível acabar com os blocos político-militares, a começar pela NATO. De que servem hoje? Para que serviram antes? Para assegurar esses mesmos interesses geoestratégicos e dominar a maior área possível do planeta. Não foi assim em todas as guerras da História?

Parece utopia? Pensemos no planeta que temos hoje: é mais instável do que há 40 anos. Portanto, nem NATO, nem armas nucleares, contribuem para a nossa segurança, apesar de interesses poderosos tentarem construir a ilusão contrária. A quem serve esta ameaça permanente? Aos mesmos que lucram com a guerra. Estamos a falar da ganância de meia dúzia, à custa da miséria de milhões.

A conclusão é evidente: é urgente defender a Paz! Construir um mundo em que todos tenham direito à felicidade implica a dissolução de todos os blocos político-militares. Estas não são propriamente organizações democráticas… recorde-se que Salazar participou na fundação da NATO.

Não se pode construir um futuro melhor persistindo nas mesmas soluções de sempre! Garantir o futuro da Humanidade e do Planeta exige coragem para enfrentar os interesses que nos ameaçam. Comecemos este novo ano construindo um Mundo realmente Novo!

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Pub