Opinião: Patrícia Miranda | Haverá Agricultores felizes em 2023?

Como dita a época, começo por fazer, muito especialmente aos Agricultores Açorianos, votos de um 2023 cheio de saúde e também, de muito sucesso nas suas explorações.

Embora todos saibamos que o cenário de 2022 não foi animador e que 2023 faz vislumbrar poucas alterações. Até porque temos um Governo Regional que permanece insensível às dificuldades vividas pelos Agricultores Açorianos.

O ano de 2022 fica marcado pela saída de uma pandemia e pelo início de uma guerra, com efeitos económicos devastadores para a Europa.

PUB

Foi a escassez de cereais, as rações mais caras, o combustível que praticamente duplicou e os fertilizantes pela hora da morte. Como se isso não bastasse, também as taxas de juro dispararam.

Não sendo culpado de nada disto, impunha-se ao Governo Regional maior proatividade na defesa da Agricultura e dos Açores. Impunha-se que procurasse minimizar a inflação e os custos de produção, principalmente nos setores primários, onde assenta grande parte da nossa economia.

Os mais atentos terão percebido que este governo de coligação de minorias usa sempre expressões como “vai preparar”, “vai criar”, “vai desenvolver”, “pretende”. Mas mesmo os menos atentos terão percebido, na carteira, que pouco ou nada foi feito a nível regional para dar a mão aos Agricultores Açorianos. De boas intenções está o inferno cheio, dizem.

Mas se o trabalho em prol da Agricultura é escasso, o que tem rendido tem sido o aumento de nomeações e concursos públicos pouco claros. Tal tem sido o rol de nomeações para primos, sobrinhos, enteados, amigos e até esposas, continuando, este Governo, a querer fazer parecer que está tudo bem. Exige-se mais transparência e mais seriedade. Porque estes (des)governantes foram com muita sede ao pote e o povo já comenta.

Acima de tudo impõem-se medidas concretas e sérias para a Agricultura Açoriana. Porque não podem os Agricultores continuar a emagrecer, enquanto o Governo Regional engorda!

Face a esta crise inflacionista, não cortem investimentos na Agricultura, tal como demostraram no Plano e Orçamento para 2023. Invistam em caminhos agrícolas, abastecimento de água e eletrificação das explorações. Aproveitem os fundos comunitários que têm vindo a desperdiçar olimpicamente nestes últimos dois anos.

Em vez de prometerem apoios de 150 euros por cada tonelada de leite reduzida por exploração no início de 2022 e depois dizerem, a medo, que afinal esse apoio só chegará em 2023, apoiem efetivamente o setor e cumprem com a sua palavra. Não basta baterem no peito dizendo que acabaram com os rateios, quando depois esses rateios são aplicados de forma encapotada.

E o certo, é que com toda esta trapalhada do Governo, os produtores de leite açorianos ficaram sem leite, sem animais e sem apoios.

O Governo Regional tem de se organizar e começar a fazer mais, muito mais. Porque os produtos dos Açores, por si só, são já uma excelência! Mas é preciso visão, ação e muito, muito trabalho.

Só assim se conseguirá fazer os Agricultores Açorianos felizes em 2023. Feliz Ano Novo!

 

Pub