Opinião: José Leonardo | Nos 50 anos do aeroporto da Horta…

O Aeroporto da Horta foi inaugurado há 50 anos, no dia 24 de agosto, pelo Presidente da República, Almirante Américo Tomás. 14 anos depois desta importante infraestrutura entrar em funcionamento, foi também dado início às ligações diretas com Lisboa.

Na passagem de uma data tão relevante para o Faial e para os Açores, é importante continuar a lutar pelo futuro desta infraestrutura, como lutaram os nossos antepassados, preparando-a para receber ligações do centro da Europa e dos Estados Unidos da América, permitindo que mais companhias aéreas possam voar para a ilha do Faial.

Nestes últimos 8 anos, em que estivemos na Câmara da Horta, esta foi, sem dúvida, uma das nossas prioridades, mesmo quando muitos já nem se preocupavam, como agora, em fazer desta luta uma bandeira política.

Muitos mesmo acomodaram-se ao ouvir falar de milhões para uma ampliação que afinal não só não havia projeto como ninguém aparentemente sabia quantos metros eram necessários ou que condições devia essa ampliação obedecer.

Pub

Desde 2013 que avançámos nos esforços realizados e iniciámos um trabalho sério, idóneo e independente, com a ajuda voluntária de técnicos do Faial, que conseguisse determinar que ampliação precisávamos e a que critérios devia obedecer.

A estes voluntários uma palavra de apreço, bem como às entidades que souberam cooperar com esse trabalho em benefício do Faial.

Não era nem é legítimo que continuasse a ser-nos negado um investimento estruturante para crescermos e nos desenvolvermos como as demais parcelas da Região.

Por isso, desenvolvemos o nosso trabalho em duas frentes. Uma de insistência para com as autoridades aeronáuticas, relativamente a questões de operacionalidade, para rapidamente reduzir cancelamentos por falta de equipamentos adequados de aproximação.

Batalha vencida, com a instalação do RISE e a introdução de procedimentos NRP, prosseguimos na luta pela melhoria das ligações aéreas e pela ampliação da pista do aeroporto.

Pagámos um estudo de impacto ambiental e assessorias técnicas para elaborarmos um estudo prévio, devidamente orçamentado, para dar resposta ao que devia ter sido acautelado pelo Governo da República da Coligação PSD/CDS-PP e não foi.

A ANA foi privatizada sem que a ampliação do nosso aeroporto fosse prevista e, pelo meio, ainda recebemos Passos Coelho na Horta que reforçou essa indisponibilidade para investir na pista do Faial.

O Faial e os Faialenses estiveram e estão de parabéns porque todos juntos fomos capazes de levar a nossa luta até que ela ficasse consagrada, como obrigação da República, em Lei de Orçamento de Estado.

Essa, infelizmente, não foi a postura de quem agora diz que a ampliação vai acontecer porque o Governo é outro, quando afinal, na primeira oportunidade, até admite que se pode deixar outros investimentos prioritários para o Faial de fora, para fazer de conta que se está comprometido com a ampliação do aeroporto.

Mas a verdade dos factos diz-nos que finalmente, estão reunidas condições para discutir o único estudo que analisa e quantifica, claramente, as necessidades da pista da Aeroporto.

É o estudo da Câmara Municipal da Horta que tem estado em discussão, por estes dias, em já 4 reuniões realizadas com todas as entidades envolvidas, uma das quais, de caráter técnico só entre o Grupo criado pela Câmara Municipal, a ANA e o LNEC.

Não temos receios desta luta, aliás ansiámos por ela desde que apresentámos o nosso trabalho em 2017.

A caixa de pandora foi aberta e o dossier que parecia tabu foi desenterrado.

Da nossa parte, os faialenses podem ter a certeza que vamos continuar a lutar até ao fim para potenciarmos o nosso Aeroporto para os próximos 50 a 100 anos.

Não vamos baixar os braços, nem permitir que se fique todo o tempo em análises e estudos.

Não importa quem tem a responsabilidade ou o dever moral de pagar pela ampliação do nosso aeroporto. O importante é que ela se concretize e permita contribuir para o desenvolvimento sustentado da ilha do Faial.

Da minha parte sabem que podem contar sempre, com seriedade, com verdade, com trabalho e com lealdade, para manter acesa esta luta até que os nossos objetivos futuros sejam concretizados.

Pub