Obras em residências para evitar quedas de pessoas com mobilidade reduzida têm início no Faial

A Secretária Regional da Solidariedade Social assinou hoje, na Horta, o primeiro protocolo com vista à intervenção numa moradia para eliminação das barreiras arquitetónicas, uma medida que visa a melhoria da acessibilidade de idosos e de pessoas com mobilidade reduzida na sua própria residência.

Andreia Cardoso salientou que esta é uma das medidas incluídas no I Plano de Ação Bianual 2018-2019 da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e à Exclusão Social, que visa adequar as habitações das pessoas mais idosas e com mobilidade reduzida.

“Tem decorrido um trabalho de sinalização por parte das autarquias e Instituições Particulares de Solidariedade Social no sentido de se identificarem os casos com maior necessidade de adaptação das moradias, por forma a eliminar pontos de risco de queda, nomeadamente com a transformação de uma escada em rampa, a colocação de um corrimão, ou a troca de uma banheira por um poliban”, afirmou Andreia Cardoso.

O primeiro protocolo para eliminação de barreiras arquitetónicas foi assinado com a Casa do Povo dos Cedros, no Faial, e destina-se a obras na habitação de uma idosa de 75 anos para o aumento de mobilidade, melhorando o acesso à casa de banho e eliminando a banheira, substituindo-a por um poliban.

“Pretendemos que, até ao fim de 2019, se promovam intervenções preventivas em 180 habitações em todo o arquipélago, por forma a tornar a casa um ambiente mais seguro e, assim, prevenir as quedas”, acrescentou Andreia Cardoso.

“As juntas de freguesias e IPSS são um meio privilegiado de sinalização das situações que carecem de intervenção, identificando mais facilmente as moradias com maior necessidade de adaptação, não só pela relação de proximidade que têm com a população, mas também por conhecerem a realidade das suas localidades”, disse a Secretária Regional.

Andreia Cardoso visitou ainda várias moradias nas freguesias do Capelo e Feteira, cujas famílias vão receber apoios para recuperação de habitação degradada, assinando no momento da visita os respetivos contratos.

O investimento em apoios à habitação na ilha do Faial durante a visita do Governo traduz-se em cerca de 15 mil euros.

A aposta do Executivo na constante melhoria do parque habitacional em toda a Região já atingiu quase 10 milhões de euros na atual legislatura.