Pub

A Iniciativa Liberal dos Açores vai reunir, no próximo dia 8 de outubro, o seu órgão máximo na Região, para eleger os novos órgãos regionais e aprovar as linhas de orientação política para os próximos dois anos, sendo Nuno Barata recandidato ao cargo de Coordenador Regional da IL.

No NONAGON– Parque de Ciência e Tecnologia da ilha de São Miguel, no Concelho da Lagoa, no sábado, dia 8 de outubro, durante todo o dia, vão reunir-se os membros do partido nos Açores em Plenário Regional que analisará também a criação do regimento de funcionamento do Núcleo Territorial dos Açores e dos Grupos de Coordenação Regional e de Ilha.

Nuno Barata, Coordenador Regional da Iniciativa Liberal desde 2020, recandidata-se ao cargo, sendo, aliás, o único membro do Partido que apresentou à comissão organizadora do conclave liberal uma lista e um documento de orientação política para o mandato dos próximos dois anos.

“Libertar os Açores e os Açorianos” é o mote transversal a um documento onde se afirma que “é possível fazer diferente para obter resultados diferentes”, prosseguindo o objetivo central de “fazer melhor, porque ser livre é mais vantajoso do que o seu contrário e só teme o liberalismo quem teme a liberdade”.

“Reduzir a ocupação do sistema político-administrativo pelo partido do poder ou partidos no poder”, “fomentar uma sociedade civil saudável e uma economia livre, onde a cor política não é vantagem ou obstáculo”, “libertar o investidor e o cidadão da dependência de aprovações administrativas e complicações desnecessárias” e “retirar o Estado e a Região Autónoma do comando da economia e do setor empresarial, libertando o contribuinte de gestões perdulárias e partidarizadas”, são linhas gerais traçadas na visão liberal, visando “desenvolver uma Região mais livre, mais capaz, mais responsável, e menos dependente de ajudas e favores políticos”, lê-se no documento subscrito por Nuno Barata.

Os liberais insulares defendem ainda o desenvolvimento de “uma Região com um sistema fiscal competitivo, levando ao limite a redução dos impostos permitida pela Lei”, alegando que “um euro de imposto representa uma perda líquida de 40 cêntimos de bem-estar”, pelo que se assumem na luta “por uma Região mais livre das peias dos impostos e dos regulamentos asfixiantes da economia e das liberdades individuais”, recordando que foi por iniciativa do partido, no âmbito do Acordo de Incidência Parlamentar assinado com o PSD que permitiu a viabilização do atual Governo Regional, que se aprovou “o maior choque fiscal de sempre nos Açores”.

Socialismo enfraqueceu economia, sociedade civil e instituições

Lembrando que, “em 2020, pela primeira vez, os açorianos puderam votar num programa liberal – um programa positivo que descreve como começar a libertar os Açores da excessiva dependência do Estado (Central e Regional)”, a orientação política submetida ao Plenário Regional por Nuno Barata sublinha que “a asfixia de 24 anos de poder monopartidário e de políticas repetitivas e estatistas trouxeram os Açores aos piores lugares nos rankings europeus da pobreza, do desemprego, do rendimento médio das famílias, da educação e até da assistência na doença”, defendendo, em alternativa, que “há lugar para política à séria, reformista, moderada, mais ambiciosa, arrojada e contemporânea – que propõe soluções que funcionam, que funcionaram sempre que foram tentadas, em toda a parte do mundo”.

Os liberais propõem-se a “libertar os Açores e os Açorianos de serem contribuintes forçados de projetos megalómanos pensados por uns poucos, para serviço de outros poucos e sem garantias de serem a melhor solução para o conjunto de todos, ignorando que poderíamos ter melhores soluções nos transportes aéreos e marítimos, na energia, na saúde, na educação e até no setor primário”.

Segundo o documento de orientação política que será debatido e votado no Plenário Regional da IL “o uso continuado de socialismo enfraqueceu a economia, a sociedade civil e até as instituições políticas”.

O Plenário Regional do Núcleo Territorial dos Açores da Iniciativa Liberal (designação estatutária liberal, semelhante aos Congressos que se registam noutras forças partidárias) reunirá, na Lagoa, membros (militantes) do Partido representativos de várias ilhas da Região, registando-se a existência de liberais nas ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Graciosa, São Jorge, Faial, Pico e Flores.

No Plenário Regional que elegerá o próximo Grupo de Coordenação Local dos Açores marcarão presença dirigentes nacionais da Iniciativa Liberal.

PROGRAMA e ORDEM de TRABALHOS

Sábado, dia 8 de outubro, NONAGON – Sala Viking, Lagoa

  • 09h30 – Receção dos Membros;
  • 10h00 – Abertura do Plenário;
  • 10h10 – Eleição da Mesa do Plenário;
  • 10h20 – Aprovação da Ordem de Trabalhos;
  • 10h30 – Intervenção de apresentação/balanço do trabalho desenvolvido pelo Grupo Coordenador Local no último mandato 2020/2022;
  • 10h50 – Intervenção de apresentação/balanço do trabalho desenvolvido pela Representação Parlamentar na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores;
  • 11h10Coffee break
  • 11h30 – Apresentação, discussão e votação da proposta de Regimento do Núcleo Territorial da Região Autónoma dos Açores;
  • 11h50 – Anúncio das candidaturas apresentadas ao Grupo de Coordenação Local;
  • 12h00 – Pausa para Almoço;
  • 14h30 – Reabertura dos trabalhos e apresentação, pelos seus subscritores, dos documentos de orientação política local das candidaturas ao Grupo de Coordenação Local;
  • 15h00/16h30 – Período de debate e esclarecimentos sobre os documentos de orientação política apresentadas;
  • 16h30 – Abertura do período eleitoral;
  • 16h45 – Encerramento do período eleitoral;
  • 17h00 – Proclamação dos resultados eleitorais, exoneração dos titulares do órgão cessante e tomada de posse dos membros do novo órgão eleito;
  • 17h15 – Intervenção de Dirigente Nacional;
  • 17h30– Intervenção do Coordenador do Grupo de Coordenação Local eleito;
  • 18h00 – Encerramento do Plenário.
Pub