Vasco Cordeiro, que falava na inauguração das obras de remodelação da Adega e Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa, referiu que na área da vinha o crescimento “foi ainda mais significativo”, tendo registado em igual período um crescimento de 84%, passando-se de 550 mil para 1.000 hectares.

Para o governante, estes números revelam “dados concretos que indiciam os resultados da aposta que pretende reduzir as importações e aumentar as exportações, criando mais valor na cadeia agrícola e mais riqueza nos Açores”.

O líder do executivo considerou que o “investimento significativo” (1,43 milhões de euros) na Adega e Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa constitui um “sinal de confiança no futuro do desenvolvimento da ilha”, tendo referido que as novas instalações são “mais um passo no inicio de uma nova caminhada para aumentar a competitividade da agricultura e tecido produtivo” da ilha.

Para Vasco Cordeiro, com este investimento, a Graciosa fica com “condições reforçadas para ser mais competitiva” na produção de vinho, a par de produtos endógenos, como a meloa e o alho.

O chefe do executivo referiu que o investimento tem um significado que vai “para além” do universo de ilha, constituindo “mais uma peça e passo numa estratégia abrangente de dotar todas as ilhas das condições necessárias para que seja possível criar cada vez mais emprego e gerar riqueza”.

O líder do executivo considerou a Adega Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa um “forte contributo” para a coesão social e territorial nos Açores, sendo assim “muito mais” do que um investimento financeiro.

“A Graciosa é um bom exemplo do trabalho de diversificação agrícola que tem sido feito um pouco por toda a região, visando aproveitar o potencial de todas e cada uma das ilhas nas mais diversas produções”, declarou o líder do executivo regional.

O Governo dos Açores termina na quinta-feira uma visita oficial de três dias à ilha Graciosa.