Museu em Ponta Delgada destaca que ampliação é projeto “estruturante”

O diretor do Museu Carlos Machado, em Ponta Delgada defendeu que as obras de ampliação daquele espaço são “uma urgência” para “criar melhores condições para o espólio” da instituição, e que vão “reabilitar” o jardim centenário do espaço.

“Este é um projeto que, para o Museu Carlos Machado, vem resolver um problema estruturante das suas reservas. A instituição desenvolve a sua atividade em três núcleos descontínuos e as reservas são fundamentais para garantirem mais durabilidade às peças, oferecendo as condições necessárias de conservação preventiva e da sua própria monitorização”, afirmou à agência Lusa Duarte Melo.

As obras de ampliação da instituição de Ponta Delgada, que em junho completa 140 anos, estão a preocupar moradores junto ao Museu Carlos Machado, que temem pela “segurança” das suas habitações e pela “alteração do jardim centenário”.

À Lusa, o diretor do museu destacou as vantagens da obra que permite criar “um edifício com espaço de reservas” e “requalificar o jardim” que terá novas acessibilidades, “servindo com qualidade os cidadãos e os visitantes, pois da maneira como está não se torna um jardim inclusivo”.

“Enquanto diretor do museu parece-me que é de todo legitimo a preocupação dos moradores em relação às suas habitações. No entanto, na reunião com a comissão de moradores juntamente com a diretora regional da Cultura, ficou garantido, de forma clara e inequívoca, que haveria um acompanhamento das próprias casas no decorrer da intervenção que está a ser feita no jardim”, acrescentou o responsável.

O responsável recordou que este projeto de ampliação do museu da maior cidade dos Açores “já foi apresentado há alguns anos”, lamentando Duarte Melo que haja “algum desconhecimento sobre a obra e alguma desinformação pública”.

“Para o Museu Carlos Machado, as reservas são fundamentais, são necessárias. Não podemos hipotecar o futuro da instituição que tem o dever e a obrigação, enquanto serviço público, de conservar todo o seu património e os seus espólios de forma mais adequada”, vincou.