“Nós vamos, penso eu, perceber ainda melhor através dessa greve as condições em que estes profissionais trabalham, porque estes profissionais vão trabalhar oito horas por dia e estão parcialmente em greve, estão em greve às horas extraordinárias”, referiu o social-democrata à margem da entrega da lista às eleições legislativas pelo círculo eleitoral do Porto.

Se todos os profissionais trabalham oito horas por dia e o serviço não é feito na plenitude, o país percebe que estes trabalham em média 10,11,12,13 a 14 horas por dia, algo que é “inaceitável”, vincou.

“E ainda é menos aceitável para quem anda na estrada a conduzir, menos ainda para quem conduz carros pesados e menos ainda para quem conduz carros pesados carregados de gasolina”, frisou.

Por esse motivo, Rui Rio considerou que as condições de trabalho destes profissionais têm de mudar.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou na quarta-feira ter entregado um novo pré-aviso de greve para o período compreendido entre os dias 07 e 22 de setembro, mas desta vez só aos fins de semana e trabalho extraordinário.

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas e os patrões reúnem-se na segunda-feira para discutir os serviços mínimos na greve ao trabalho extraordinário, confirmou à Lusa fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

A reunião entre o SNMMP e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) vai decorrer pelas 15:00 na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), confirmou a mesma fonte.

A notícia foi hoje avançada pelo jornal ‘online’ Eco.