“O pagamento, executado através do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), é constituído por uma componente FEADER [Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural], no montante global de 25,5 milhões de euros, por uma componente FEAGA [Fundo Europeu de Garantia Agrícola], no montante global de 46,9 milhões de euros, e por uma componente de outros pagamentos, no valor de 650 mil euros”, revelou a tutela na mesma nota.

No âmbito do FEADER, o Ministério destaca o PDR 2020 (Programa de Desenvolvimento Rural) com quase 23 milhões de euros, o PRORURAL, nos Açores, que paga 1,3 milhões de euros e, na Madeira, o PRODERAM, com 916 mil euros.

No caso do FEAGA, em pagamentos diretos, foram pagos quase 13 milhões de euros, bem como 2,5 milhões de euros por “práticas agrícolas benéficas”, 1,1 milhões de euros pela promoção do vinho em mercados estrangeiros e, no âmbito do POSEI (Açores e Madeira), mais de 11 milhões de euros.

No passado dia 21 de junho, o Governo tinha anunciado também que iria disponibilizar, a partir de dia 24 de junho, mais três milhões de euros para apoiar investimentos de agricultores com explorações situadas em municípios em seca extrema ou severa.

“O principal objetivo desta medida é promover a mitigação dos efeitos da seca extrema e severa como fenómeno climático adverso, através do apoio a investimentos específicos nas explorações em que a escassez de água compromete o maneio do efetivo pecuário, em particular, o abeberamento dos animais e a manutenção das culturas permanentes instaladas”, indicou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Para este apoio são assim elegíveis investimentos cujos montantes oscilem entre 1.000 euros e 40.000 euros.