Pub

Milhares de trabalhadores de todo o país deverão deslocar-se hoje a Lisboa para participar na manifestação nacional que a CGTP promove em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores, segundo a central sindical.

A CGTP prevê a participação de “dezenas de milhares de trabalhadores” de todos os setores de atividade nesta primeira manifestação nacional do ano, que serão transportados para a capital em centenas de autocarros e em quatro comboios especiais.

A central sindical marcou o protesto porque, embora reconheça que os trabalhadores já recuperaram parte dos rendimentos e direitos perdidos nos últimos anos, defende a necessidade de mais medidas que assegurem a melhoria das condições de vida e de trabalho dos portugueses.

O aumento geral dos salários, a fixação do Salário Mínimo Nacional em 600 euros em janeiro de 2018, o combate à precariedade, a revogação das normas gravosas da legislação laboral e a implementação de uma política que assegure a estabilidade no emprego e respeite os direitos dos trabalhadores de todos os setores de atividade, são as principais reivindicações da Intersindical.

No manifesto elaborado para o protesto de hoje, a CGTP reivindica também o combate às desigualdades sociais e à pobreza, a criação de emprego estável e com direitos e a regulação e redução dos horários de trabalho.

A manifestação está marcada para o início da tarde, com desfile entre a praça Marquês de Pombal e os Restauradores onde o secretário-geral da Inter, Arménio Carlos, fará uma intervenção político-sindical.

No final do protesto os manifestantes deverão aprovar uma resolução a defender aumentos salariais de pelo menos 4%, a reposição do direito de contratação coletiva, 25 dias de férias, o aumento das pensões e a despenalização das reformas com 40 anos de descontos para a segurança social.

Pub