Mecânico “artesão” de Gaia recuperou milhares de Minis em 50 anos

António Santos completa em dezembro 50 anos a recuperar automóveis Mini, uma contabilidade que chega aos milhares numa paixão que, garante, não tem prazo para acabar e que o fazem sentir-se um artesão.

Aos 14 anos uma “chatice” com um colega na fábrica onde trabalhava como marceneiro de teares fê-lo abandonar o emprego e, no mesmo dia, cumprir um sonho de criança, o de trabalhar “naqueles carros pequeninos” na oficina JJ Gonçalves, no Porto, relatou à agência Lusa.

Desde 1989 a trabalhar por conta própria, António Santos transformou a garagem da sua casa em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, numa espécie de atelier dedicado aos célebres carros ingleses da marca Austin.

Em cerca de 60 metros quadrado reúne passado e presente, neles sendo possível encontrar incontáveis miniaturas dos carros pelos quais se apaixonou, mas também uma desorganização organizada, tudo fruto de uma maneira de trabalhar muito própria.

António Santos trabalha no chão. Prefere assim, para não correr o risco de “estragar as peças dos motores” que desmonta e porque, também, é mais fácil guardá-las, em caixas de sapatos, marcadas com o nome dos clientes para que nada falhe quando iniciar o processo de montagem.

Aos 63 anos, “é Minis de manhã, à tarde e à noite”, confessou à Lusa, garantindo que “não pensa em parar a paixão” com que se entrega ao trabalho diário de recuperar os carros nascidos em Inglaterra no final da década de 1950.

Mecânico, eletricista, mas também capaz de construir “peças para os carros, bem como ferramentas, em polegadas”, dado “tratarem-se de carros ingleses”, sublinhou.

Um estetoscópio para “ouvir o carburador e acertar o consumo do combustível” e um “frasco de um medicamento transformado num busca-polos” são duas dessas “invenções” de António Santos.

Assumindo que “não gosta de trabalhar em carros modernos”, é o ser capaz de os “sentir” que lhe continua a alimentar as oito horas diárias em que se entrega ao serviço.

“Já recuperei milhares de Minis. Vou fazer isto até não poder mais”, revelou à Lusa enquanto desmontava mais um carburador, de joelhos, no chão, projetando assim se manter, pelo menos, até para além dos “80 anos”, nessa fase com mais “calma a continuar o trabalho”.

“Especialista em carros ingleses”, António Santos contou ter já “recuperado um Simca 8, de 1939”, num trabalho que “demorou dois anos” a concluir e hoje, na sua oficina, é outra relíquia que recebe quem lá chega, “um Singer, creio que de 1948”, ao qual “recuperou o motor e a caixa de velocidades”.

E se os carros recuperados foram “todos de proprietários portugueses”, de “Espanha já recebeu peças danificadas para compor”, tendo de momento “11 motores em processo de recuperação” no seu espaço.

Voltando aos carros ingleses que de Inglaterra saíram para o mundo na década de 1960, o mecânico de Gaia revelou que o mais antigo que recuperou “foi de 1959, um OP, azul”.

“Cada caso é um caso”, respondeu quando questionado quanto tempo em média demora a recuperar um Mini, relatando depois que “pode demorar entre meses e dois anos”, como “foi o caso mais demorado” que já teve.

O grau de exigência que coloca na sua atividade faz com que diga ser “mais exigente que os clientes”, tendo ao longo do tempo adotado técnicas que lhe permitem não só conhecer as “peças que apresentam desgaste” como também quem o “tenta enganar”.