A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo destacou hoje, no Faial, a importância dos ecocentros por serem instalações “controladas e vedadas, de maior proximidade aos cidadãos”, onde se procede à armazenagem de resíduos urbanos e equiparados com vista ao posterior encaminhamento para destino adequado.

Marta Guerreiro, que falava após uma visita ao Ecocentro de Castelo Branco, salientou o empenho das Juntas de Freguesia no processo de instalação destas infraestruturas, salientando que a Direção Regional do Ambiente “apoiou a construção de três equipamentos na ilha do Faial, concretamente nas freguesias de Castelo Branco, Ribeirinha e Salão”.

A Secretária Regional adiantou ainda que atualmente “estão em desenvolvimento procedimentos semelhantes que visam também dotar de ecocentros três freguesias da ilha de São Jorge”.

“Estes são locais onde é possível entregar diversas tipologias de resíduos, designadamente resíduos verdes e biomassa florestal, resíduos de construção e demolição, resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, monstros, entre outros”, explicou.

Na ocasião, a governante sublinhou o facto de a ilha do Faial ter atingido, no ano passado, o objetivo de “aterro zero”, por via da valorização da totalidade dos seus resíduos urbanos.

“Assim, 82% foram submetidos a valorização material e orgânica, e o refugo (18%) encaminhado para valorização energética na ilha Terceira”, acrescentou Marta Guerreiro.