Mário Tomé: Parabéns ao Pico e aos Picarotos

A Cultura da Vinha da Ilha do Pico foi considerada a Paisagem Nacional de 2018. A atribuição deste Prémio Nacional significa, nas palavras dos responsáveis pelo galardão, “o reconhecimento da especificidade desta paisagem, derivada da adaptação da população, ao longo dos tempos, a um território com recursos escassos, conferindo-lhe uma identidade própria, tanto paisagística como cultural e social”.

Esta é mais uma conquista dos Açores, da Ilha do Pico, mas principalmente é mais uma conquista dos ‘Picarotos’. A paisagem que agora é distinguida resultou de um trabalho árduo, que desde há muitos anos tem sido levado a cabo pela força e pelo empenho dos muitos homens que de ruínas ergueram currais e que das dificuldades fizeram a sua força. Homens e mulheres que num período complicado apostaram na construção de um futuro melhor para si e para as suas famílias.

A atribuição deste Prémio Nacional é, também, uma valorização da estratégia pública que tem sido desenvolvida pelo Governo e muito bem aproveitada pelos empresários do setor. Já foram recuperados mais de 600 hectares desde 2009, o que demonstra bem a dinâmica local, que utiliza bem os mecanismos de incentivos que o executivo dispõe, potenciando a iniciativa empresarial e dando provas de como se pode inovar numa área com potencial, possibilitando a criação de emprego, incluindo para os nossos jovens. Como referem os responsáveis pelo Prémio, este “é um exemplo claro de uma correta implementação da Convenção Europeia da Paisagem, da Política Nacional de Arquitetura e da Paisagem e da Política de Ordenamento do Território”.

A Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, escolhida entre 27 candidaturas nacionais, vai agora representar Portugal nos prémios da Paisagem do Conselho da Europa, um “prémio que visa distinguir a implementação de uma política ou de medidas de proteção, gestão e/ou ordenamento da paisagem que constituam uma boa prática de sensibilização e participação pública”.