Pub

A Secretaria Regional dos Transportes, Turismo e Energia organizou no passado dia 18 de novembro, na cidade da Horta, uma ação de capacitação sobre as temáticas “Turismo Industrial em Portugal & a importância das Rotas Açores” para a estruturação da oferta turística cultural.

Na sua intervenção de abertura, o Secretário Regional, Mário Mota Borges, enfatizou a importância do turismo cultural não só para a diversificação, mas também na valorização do destino e da experiência turística.

O governante reforçou ainda que a estratégia para o desenvolvimento do turismo “passa por um turismo sustentável, com base na proteção do território e da qualificação do destino”, considerando convictamente que o turismo cultural é um “elemento fundamental do destino, em temáticas como as que estão a ser trabalhadas nas Rotas Açores, através da criação de uma verdadeira rede cultural colaborativa, em torno da baleação, das vinhas e dos vulcões”.

No que toca ao turismo industrial elucidou, entre outros exemplos, o potencial da indústria viva relacionada com o agroturismo, como é o caso do chá, dos laticínios ou das conservas.

Pub

O evento contou ainda com a participação da Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que realçou o entusiamo da Região no envolvimento desde o primeiro momento neste projeto do turismo industrial em Portugal, sendo um contributo ativo para a Estratégia do Turismo 20-27, para a promoção do turismo durante todo o ano e para o programa de turismo mais sustentável 20-23.

Por fim, a Secretária de Estado salientou as linhas de apoio existentes para a estruturação desta oferta, nomeadamente a Linha de Apoio à Qualificação da Oferta e o regresso do programa Valorizar que será anunciado muito brevemente com uma nova designação.

Deste encontro destacou-se o papel que o turismo cultural assumirá nos próximos anos na estratégica turística, bem como para as linhas de apoio que o Turismo de Portugal terá disponível às quais as empresas da indústria viva dos Açores poderão concorrer para capacitar as suas instalações à visitação.

Dos casos de sucesso apresentados, os dois casos nacionais escolhidos serviram de inspiração para a indústria dos Açores, mais concretamente o Museu Vivo da Fábrica das Conservas Pinhais e o do Centro de Ciências do Café, este último uma indústria mais recente que conta com o apoio do grupo Nabeiro para a capacitação das empresas da Região, com o objetivo de colocar na cadeia de abastecimento o primeiro café 100% português.

O terceiro caso de sucesso apresentado foi o da Fábrica do Porto Pim, Faial, como bom exemplo do que está a ser feito para o acesso do público em geral, sobre uma indústria extinta, mas que deixou um vasto legado para as gerações que lhe sucederam.

Pub