Mais de uma centena em Lisboa contra consumo de animais que os condena à crueldade

Mais de uma centena de ativistas manifestaram-se hoje em Lisboa pelos direitos dos animais e pelo veganismo como estilo de vida, argumentando que consumir animais é condená-los à crueldade.

Na praça dos Restauradores, montaram um quadrado humano composto por cerca de setenta voluntários que toleraram o calor debaixo de sol intenso, vestidos de preto e com máscaras do filme “V de Vingança” para mostrar em telemóveis, ‘tablets’, computadores portáteis e até ecrãs de televisão imagens da exploração da indústria agropecuária, antes de marcharem em direção à Assembleia da República.

A ativista Márcia Augusto, do movimento Anonymous for the Voiceless, afirmou que o “cubo da verdade” pretende mostrar imagens que as pessoas ignoram e para que “façam escolhas mais informadas quando vão ao supermercado ou ao restaurante”.

“Na escolha de consumir produtos animais, há muita crueldade, exploração e morte envolvidas, algo que é completamente desnecessário porque conseguimos viver muito bem sem explorar outros animais”.

Outra das organizadoras, Andreia Mota, da Ação Direta, disse à Lusa que a marcha até São Bento visou “iluminar e dar visibilidade à violência” sofrida pelos animais e interpelar o poder político para reclamar “mudança no reconhecimento dos direitos dos animais”, nomeadamente na tauromaquia, que pretendem ver abolida.

A menos de um mês de ser eleito um novo parlamento nas eleições legislativas, Andreia Mota reconheceu que a mudança que reclamam “não é de um dia para o outro”, mas salientou que o fim das touradas “é uma bandeira em que tem que haver avanços na próxima legislatura”.

“O nosso apelo ao veganismo é necessário para haver uma evolução na forma como tratamos os animais e as nossas opções de consumo”, afirmou.

Márcia Augusto indicou que os animais criados para serem consumidos “já têm data de morte planeada quando nascem” às mãos de humanos que “se apoderam das vidas destes animais e os matam contra a sua vontade”.

“Este destino final não tem que ser assim”, argumentou, apontando que “já há imensas opções [veganas] enraizadas no dia a dia”, nomeadamente “salsichas e hambúrgueres vegetais que são substitutos diretos da carne”.

Acrescentou que “Lisboa é das melhores cidades europeias para viver um estilo de vida vegano”, reconhecendo que alguns produtos “podem ser mais caros, se forem processados diretos”.

Mas há “leguminosas, vegetais, frutas, legumes, cereais perfeitamente acessíveis a qualquer orçamento familiar” capazes de dar “todos os nutrientes necessários”.

As ações de hoje em Lisboa inserem-se no movimento “Surge”, criado no Reino Unido para “levar para as ruas a luta pelos direitos dos animais”.