Liga escocesa finalizada, Celtic campeão

A temporada 2019/20 da liga escocesa de futebol foi dada como finalizada, devido à pandemia da covid-19, e o título de campeão foi entregue ao Celtic, anunciou hoje a organização da prova (SPFL).

Em comunicado, o organismo explicou que a decisão foi tomada de “forma unânime” pelos 12 clubes do primeiro escalão e que a classificação final ficou definida pelos pontos que as equipas tinham até 13 de março, data em que a competição foi suspensa, por causa do surto do novo coronavírus.

“Todos nós queríamos que a liga terminasse de forma diferente. No campo e com adeptos nas bancadas. Mas, dada as circunstâncias que enfrentamos, a SPFL chegou a acordo que esta teria de ser a decisão a tomar”, lê-se no comunicado do organismo.

O Celtic, que liderava a competição com 13 pontos de vantagem sobre o Rangers, segundo classificado, foi declarado campeão e conquistou o título escocês pela nona vez consecutiva.

Na outra ponta da tabela, o Hearts, que esta temporada contou com o guarda-redes português Joel Pereira, emprestado pelo Manchester United, foi despromovido à segunda divisão.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas — Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França, Países Baixos e Bélgica foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 04 de junho, depois de a Liga alemã ter sido retomada no sábado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 315.000 mortos e infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.