Pub

O líder do PSD/ Açores defendeu hoje a necessidade de “mudar o ‘chip’” na forma como se vê os Açores na União Europeia – como região “ultraperiférica, distante, e pobre” – para o “valor que se acrescenta” à Europa.

“Temos que mudar o ‘chip’ da região ultraperiférica, distante, pobre e pequena, apesar de isso não poder deixar o léxico da capacidade reivindicativa e da promoção e identificação de princípios, como sejam a coesão social e territorial no quadro das políticas públicas comunitárias”, declarou José Manuel Bolieiro.

O também chefe do executivo açoriano falava na abertura do primeiro Encontro Interparlamentar do PSD, que reúne em Ponta Delgada eurodeputados social-democratas, parlamentares com assento na Assembleia da República e no parlamento dos Açores.

“Se no entendimento do território integrarmos a componente terrestre (isolamento, distanciamento, pequenez, demografia exígua) e incluirmos, como devemos, o espaço marítimo e aéreo na compreensão do território, somos uma vantagem competitiva relativamente ao presente e sobretudo ao futuro para a União Europeia e para Portugal”, sendo este exercício que se “precisa afirmar nos fóruns europeus”, declarou o chefe do executivo açoriano.

Para Bolieiro, “se a Europa quer ter futuro tem que olhar com sentido estratégico os Açores e a RUP”, tendo destacado a sua componente marítima, a economia azul, o desenvolvimento sustentável, a transição climática e digital, a par da energética, e dos recursos endógenos, o que “permitirá dizer em nome dos Açores e de Portugal que a região é mais importante do que o valor que até hoje foi atribuído”.

José Manuel Bolieiro destacou o “papel da dimensão verdadeiramente atlântica que as regiões ultraperiféricas (RUP) dão à Europa por causa das regiões portuguesas e espanholas, bem como das francesas no Índico e no Pacífico”.

O governante insular salvaguardou que as RUP necessitam “efetivamente, com justiça, de verem reconhecidas as suas reivindicações para o auxilio ao seu desenvolvimento”, mas, em “vez da mão estendida há que passar a ter a capacidade demonstrativa do valor que se acrescenta à Europa”.

O eurodeputado José Manuel Fernandes, declarou, por seu turno, o empenhamento do PSD no Parlamento Europeu na defesa dos dossiês com impacto nos Açores, comprometendo-se, “em conjunto como Governo dos Açores”, na defesa dos seus interesses específicos no quadro da estratégia da Comissão Europeia para as RUP, como a açoriana.

O eurodeputado congratulou o Governo dos Açores pelo papel em defesa das famílias e empresas regionais, face à crise em curso, uma vez que se “sente bem a diferença com o governo socialista de António Costa, que para as famílias dá migalhas e para as empresas oferece endividamento”.

“É ver a diminuição dos impostos do IRS e IRS, e do IVA para o máximo possível (menos 30% do valor nacional)”, declarou José Manuel Fernandes, que salvaguardou que “é de se notar que o PS nos Açores votou contra essa baixa de impostos, algo que é verdadeiramente inaceitável”.

O encontro interparlamentar realiza-se hoje e na quinta-feira, sendo uma organização conjunta do PSD no Parlamento Europeu e do PSD/Açores, no âmbito da iniciativa “Missão Açores”, lançada em 2020 em Bruxelas.

“Pretende juntar, para o debate e partilha de ideias, os deputados europeus do PSD com os membros do Governo Regional dos Açores do PSD, os deputados dos Açores à Assembleia da República e os deputados à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores”, segundo um comunicado.

Luís Montenegro, líder do PSD, marcará presença no jantar de encerramento.

Pub