Líder do CDS acusa Governo de”agir tarde” e de faltar com apoios a idosos

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, voltou hoje a abordar as mortes de idosos portugueses com covid-19, dizendo que o Governo “está a agir tarde” na resposta nos lares e a apoiar equipamentos e pessoas “com pouco”.

“O Governo esqueceu-se de cuidar de quem cuidou de nós, esqueceu-se dos seniores, dos mais velhos”, declarou o governante, centrista, falando em Ponta Delgada, nos Açores, na reabertura do ano político do CDS-PP.

Para Rodrigues dos Santos, o Governo “está a agir tarde e a apoiar com pouco” e tem mostrado uma “negligência grosseira”.

“Passámos seis meses e o Governo nada alterou na abordagem aos lares”, prosseguiu o dirigente do CDS-PP, lembrando ainda que 40% das mortes por covid-19 em Portugal ocorreram em idosos institucionalizados em lares.

O CDS, prosseguiu ainda o seu presidente, defende o avançar de um “processo nacional de regularização dos lares clandestinos e ilegais”.

“Pasme-se, há mais lares ilegais em Portugal que lares legais, há 3.500 [lares] que albergam 35 mil idosos”, vincou.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.875 pessoas dos 65.021 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.