“Jovens dão um grande contributo para a dinamização de eventos como o Walk&Talk”

O Diretor Regional da Juventude realçou hoje, em Ponta Delgada, que os jovens dão “um grande contributo” para a dinamização de eventos culturais e artísticos, como é o caso do Festival Walk&Talk.

Lúcio Rodrigues falava no final de uma visita ao ‘Pavilhão W&T’, junto ao Teatro Micaelense, onde contactou com jovens Açorianos que estão a fazer voluntariado na Associação Anda&Fala, por intermédio dos programas Voluntariado Jovem e OTL-J, da Direção Regional da Juventude.

“Tive a oportunidade de constatar, mais uma vez e ‘in loco’, o grande sucesso e a grande mais-valia que estes programas constituem, uma vez que encontrei jovens integrados e motivados, num evento de grande dimensão”, frisou o Diretor Regional.

Para Lúcio Rodrigues, eventos como o Walk&Talk são “uma oportunidade e um desafio à participação dos jovens”, uma vez que existem várias formas de “se poderem envolver”.

“Neste tipo de eventos, os jovens encontram abertura para estarem como voluntários, mas também como colaboradores, como artistas e mesmo enquanto público”, destacou o Diretor Regional da Juventude.

Lúcio Rodrigues sublinhou que o Festival de Artes Walk&Talk “é hoje um evento consolidado, de qualidade incontestável e que dá oportunidades aos jovens criadores Açorianos”, mas também “é um evento que se sabe reinventar a cada ano que passa, trazendo sempre propostas novas”.

O Diretor Regional da Juventude lembrou que, apenas no OTL-J, estão envolvidos este ano mais de 3.200 jovens.

“Constitui uma experiência claramente positiva que, todos os anos, milhares de jovens, nas nossas nove ilhas, tenham a oportunidade de ocupar os seus tempos livres com uma proposta enriquecedora, podendo fazer voluntariados que lhes permitem ter uma experiência pré-profissional”, frisou Lúcio Rodrigues.

“Não se trata de empregar os jovens no verão. Trata-se de proporcionar uma primeira experiência, durante algumas horas por dia, que lhes permita ter a noção do que é ter responsabilidades e cumprir as regras de uma organização, que lhes permita ter contacto com o público, em vez de se limitarem simplesmente a ficar em casa ou a ir para a praia. Isso parece-me muito positivo para o seu futuro”, afirmou o Diretor Regional da Juventude.