José Manuel Bolieiro afirma que Ponta Delgada continua a ser uma “Cidade dos Poetas”

O Presidente da Câmara Municipal, José Manuel Bolieiro, afirmou, esta quarta feira à noite, que Ponta Delgada sempre foi e “continua a ser, para sempre, uma Cidade dos Poetas”.

José Manuel Bolieiro falava na sede da Junta de Freguesia de São José, na cerimónia de lançamento do livro “O Órfico Fio Que A Mão Gera – Poemas”, da autoria de Victor Meireles e apresentado pelo poeta madeirense João Carlos Abreu.

Na cerimónia, em que participaram largas dezenas de pessoas, o Presidente da Câmara afirmou que “Victor Meireles prestigia o lugar onde nasceu (freguesia de São José) e a todos nós, como povo”.

“Victor Meireles é um verdadeiro universo. Um universo completo na palavra, na poesia e nas artes plásticas. Sinto orgulho em ser o edil do Município que viu nascer tão talentosa figura” – acentuou.

Agradeceu a presença de João Carlos Abreu e disse que o mesmo “distingue-nos quando reserva no seu coração a estima que tem por Ponta Delgada e pelos Açores, o que nos ajudou, aliás, a criar um epíteto. Um epíteto que não sendo novo é, no entanto, a cristalização de uma realidade: Ponta Delgada, Cidade dos Poetas”.

Segundo adiantou, João Carlos Abreu “tem-nos ajudado a projetar não aquilo que devemos ser, mas o que efetivamente somos e que, muitas vezes, não valorizamos. Se é verdade que fomos uma cidade de poetas, também é bem verdade que somos ainda, e para sempre, uma cidade de poetas”.

“A referência mais presente, hoje e aqui, como principal protagonista, é Victor Meireles, que prestigia o lugar onde nasceu, onde reside, e que projeta a nossa própria identidade como povo que, apesar de aparentemente perdido neste meio do Atlântico Norte, longe de tudo, está tão próximo do universo do talento e da intelectualidade” – frisou.

Na apresentação de “O Órfico Fio Que A Mão Gera – Poemas”, João Carlos Abreu, além de traçar um rasgado elogio ao Presidente José Manuel Bolieiro por este “trazer a poesia à política e mostrar grande sensibilidade relativamente à cultura”, disse que a poesia de Victor Meireles “prende os leitores pela qualidade e beleza”.

Falou sobre a permanência do poeta “na ilha de que se fez prisioneiro por opção e por paixão”, adiantando que “o que fica por explicar é a saudade que navega na baía dos seus olhos”.

Sobre o livro agora lançado, defendeu que “não é apenas um livro, mas sim a exaltação da poesia”.

Victor Meireles, por seu lado, agradeceu à Câmara de Ponta Delgada, na pessoa do seu Presidente, o apoio para o lançamento do seu livro, e a João Carlos Abreu pela apresentação da sua vida e obra.

Jorge Oliveira, Presidente da Junta de São José, disse, por seu lado, ser um orgulho receber o lançamento de uma obra prima do grande poeta, aproveitando a ocasião para descerrar, junto com o Presidente da Câmara, uma fotografia de Victor Meireles, que permanecerá na galeria dos notáveis que nasceram na freguesia.