João Castro congratula-se com base de lançamento de satélites nos Açores

O deputado do PS João Castro defendeu, no Parlamento, que o Orçamento do Estado (OE) para 2019 contempla medidas que aprofundam o posicionamento estratégico das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira na área da investigação, e destacou a anunciada base de lançamento de satélites nos Açores, cujo concurso público tem já vários interessados.

O parlamentar eleito pelo círculo dos Açores falava durante a audição do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, para debater o OE para o próximo ano. Segundo o socialista açoriano, o documento orçamental “dá corpo a uma das prioridades do Ministério da Ciência de aprofundar as interações atlânticas”.

João Castro sublinhou que “nos últimos dias foi tornado público o interesse de diferentes consórcios – nacionais e internacionais – na construção de uma base de lançamento de microssatélites a partir da ilha de Santa Maria”. São 14 os consórcios internacionais que manifestaram interesse, sendo quatro deles liderados pelas empresas aeroespaciais Ariane, AVIO e Virgin e pela agência espacial russa Roscosmos. Há ainda empresas aeroespaciais portuguesas, como a Edisoft, a Tekever e a Omnidea.

Lembrando que os primeiros lançamentos estão previstos para a primavera ou verão do ano de 2021, depois de o contrato para a instalação e funcionamento do porto espacial ser assinado em junho de 2019, o parlamentar pediu ao Governo que antecipasse as consequências deste investimento.

PS enaltece esforço do Governo no Air Center

O deputado frisou ainda o caso do Centro Internacional de Investigação do Atlântico – Air Center, nos Açores. O Air Center “suscita uma abordagem integrada, focada no espaço e no oceano, nas suas implicações nas alterações climáticas e no desenvolvimento de sistemas de energia sustentável”, apontou.

João Castro não deixou de destacar o esforço “notório” do Governo do PS “na concretização deste projeto com resultados já visíveis”, desde logo a mobilização de vários parceiros, a disponibilização por parte da União Europeia de recursos financeiros e a realização de diferentes encontros de envolvimento de parceiros internacionais.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior explicou que o Executivo tem posto em prática “um processo gradual de capacitar todo o país” na área da ciência, numa economia assente no conhecimento, em processos colaborativos, com partilha de risco dos setores público e privado, com inovação institucional, “à semelhança do que melhor se faz noutros contextos europeus”.

Manuel Heitor esclareceu, perante os deputados, que “a estratégia da ciência é também uma estratégia de criação de emprego”.

Respondendo ao parlamentar do PS, o governante afirmou: “Hoje atraímos novos financiamentos em parcerias internacionais, como o centro para produção de satélites, alavancando empresas portuguesas, fazendo de Portugal um país mais aberto e com mais conhecimento e abertura à inovação”.

Sobre o Air Center, Manuel Heitor considerou que se trata de uma realidade “com novos programas de valorização de Portugal em áreas de fronteira de observação do Espaço e da Terra, valorizando os Açores no contexto mundial”.