Desde o início da pandemia de covid-19 no país, em fevereiro, já foram infetadas pelo novo coronavírus mais de 2,2 milhões de pessoas e registaram-se 78.755 óbitos.

Nas últimas 24 horas realizaram-se 139.758 testes de rastreio, indicando que a taxa de positividade é de 13,3%. No sábado, a taxa de positividade era de 11,4%.

O número de pessoas hospitalizadas continua a aumentar e, a nível nacional, estão internadas 23.427 doentes (mais 167 do que no sábado), dos quais 2.615 em Unidades de Cuidados Intensivos (mais 22 do que no sábado).

A Lombardia é a região que registou mais novos casos, 3.267, e encontra-se atrasada na campanha de vacinação, tendo administrado apenas 38% das doses disponíveis, em comparação com a média nacional de 65%.

Entretanto, o Governo italiano está a finalizar um novo decreto com novas medidas de contenção da pandemia de covid-19, que entrará em vigor em 16 de janeiro.

Este fim de semana, todo o país esteve na “zona laranja”, com as viagens entre regiões e municípios proibidas, bares e restaurantes fechados, exceto para ‘take-away’, e recolher obrigatório às 22:00.

A partir de segunda-feira as regiões de Emília-Romana, Lombardia, Veneto, Calábria e Sicília permanecerão na “zona laranja”, enquanto o resto do país ficará na “zona amarela reforçada”, com menos restrições.

A Itália estima vacinar seis milhões de pessoas contra a covid-19 até ao final de março.

De acordo com os mais recentes dados oficiais divulgados, desde o início da vacinação, em 27 de dezembro, a primeira dose da vacina já foi administrada a quase 590 mil pessoas.