“A verdade é que, ao longo dos últimos anos, o Serviço Regional de Saúde [SRS] teve um significativo investimento no que concerne ao desenvolvimento do sistema de saúde, na ampliação, remodelação e beneficiação de infraestruturas”, afirmou Tiago Lopes, citado numa nota de imprensa.

Estes aspetos, acrescentou o deputado, tal como o investimento realizado na formação de profissionais de saúde, “não deveriam ser descurados na presente proposta de Plano e Orçamento”.

Segundo o comunicado de imprensa, Tiago Lopes falava hoje nas jornadas parlamentares do PS/Açores, que decorrem na ilha Terceira, com o intuito de analisar a proposta de Plano e Orçamento da região para 2021.

Segundo o também ex-diretor regional da Saúde do anterior executivo açoriano liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, a pandemia de covid-19 foi “extremamente desafiante” para o SRS.

Contudo, defendeu o socialista, a capacidade de resposta demonstrada pelo SRS ao longo da pandemia foi também resultado dos investimentos feitos na área da saúde pelos anteriores Governos Regionais do PS.

“Se não fosse todo o trabalho de capacitação realizado ao longo dos últimos anos bem como o inexcedível empenho e dedicação dos seus profissionais, não teríamos tido a capacidade de resposta demonstrada, muito longe do colapso afirmado pelo secretário regional da Saúde e Desporto”, salientou.

Tiago Lopes, que participou hoje num debate com os responsáveis da Ordem dos Médicos e dos Enfermeiros na região, Margarida Moura e Pedro Soares, respetivamente, e do antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes, considerou ainda que “ficou evidente que as ordens profissionais não foram auscultadas durante a fase final da elaboração” do Plano e Orçamento da região para 2021.

Em novembro de 2020, Clélio Meneses, secretário da Saúde e Desporto do Governo dos Açores de coligação PSD/CDS-PP/PPM, afirmou que o SRS estava perto do colapso.

O primeiro Plano e Orçamento do Governo Regional formado em coligação entre PSD, CDS-PP e PPM, e que conta com um apoio de incidência parlamentar do Chega e da Iniciativa Liberal, vai ser discutido e votado na próxima sessão plenária do parlamento açoriano, entre 20 e 23 de abril.

A proposta de Orçamento dos Açores para este ano é de cerca de 1.900 milhões de euros.