Pub

A União Regional das Instituições Particulares de Solidariedade Social dos Açores (URIPSSA) defendeu hoje um reforço dos apoios com retroativos a janeiro deste ano devido à inflação, a propósito do Plano e Orçamento da região para 2023.

Em declarações aos jornalistas, após uma reunião com o líder do Governo dos Açores na sede da Presidência, em Ponta Delgada, João Caneto, da URIPSSA, realçou que em 2021, quando aquelas instituições realizaram um “acordo-base” com o Governo Regional, “não estavam previstos os atuais níveis de inflação”.

“O que fomos pedir ao presidente do Governo Regional é que pudéssemos este ano fazer alguma adenda ao acordo base 2021-22 e começarmos a planear já o ano de 2023”, declarou.

João Caneto destacou que os níveis de inflação provocaram um aumento das despesas das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), o que já levou o Governo da República a atualizar o acordo com as instituições do continente.

“A inflação aumentou e já o governo central, através do Ministério da Solidariedade Social, fez um aumento às IPSS. Nós aqui na região ainda não tivemos. Estamos a aguardar para que possamos fazer também este acordo aqui na região para não estarmos com problemas de sustentabilidade”, reforçou.

O representante da URIPSSA propôs ainda incentivos para a “transição digital” das IPSS e apelou à “estabilidade política”, para que as “instituições possam fazer o seu trabalho à vontade”.

Já o representante das Misericórdias dos Açores, Bento Barcelos, defendeu a necessidade de atualizar os valores cama-utente-dia da rede regional de cuidados continuados e apelou à criação de uma linha de financiamento para as organizações.

“Algumas misericórdias vivem uma situação financeira, de há uns anos a esta parte, com passivos, de empréstimos, de necessidade de sustentabilidade e de saneamento financeiro”, destacou.

Bento Barcelos alertou também para a “necessidade de estabilidade política”, devido às crises inflacionista e de saúde pública, uma vez que a “pandemia [de covid-19] ainda não terminou”.

O presidente do Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM), o social-democrata José Manuel Bolieiro, está a receber os parceiros sociais a propósito da elaboração das antepropostas de Plano e Orçamento para 2023, que devem ser discutidos em novembro na Assembleia Regional.

O Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) depende do apoio dos partidos que integram o executivo e daqueles com quem tem acordos de incidência parlamentar (IL, Chega e deputado independente) para ter maioria absoluta na Assembleia Legislativa Regional.

Pub