Pub

A Associação de Alojamento Local dos Açores (ALA) manifestou-se hoje preocupada com alegadas indefinições em relação aos sistemas de incentivos, alertando que a situação de “vazio” poderá “impor uma desaceleração dos investimentos” no turismo.

De acordo com um comunicado enviado à agência Lusa pela Associação de Alojamento Local dos Açores, a preocupação foi manifestada na quarta-feira numa reunião com a Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas dos Açores (AICOPA).

“As associações estão apreensivas com a atual inexistência dos sistemas de incentivos, seja o eventual prolongamento do PO [Programa Operacional] Açores 2020, mas, sobretudo, por ainda não existir qualquer perspetiva da entrada em vigor do PO Açores 2030 e quais as verbas que serão alocadas à iniciativa privada”, lê-se no comunicado assinado pelo presidente da ALA, Rui Correia.

Para a Associação de Alojamento Local dos Açores, “tal vazio poderá brevemente impor uma desaceleração dos investimentos no setor do turismo”.

Ainda segundo a ALA, a reunião com a AICOPA teve como objetivo “estreitar relações e dialogar sobre o alojamento local e o setor da construção civil, que têm tido uma correlação importante para o desenvolvimento da região”, por via dos “investimentos privados que garantem dinamismo empresarial e fixação de postos de trabalho em todo o arquipélago”.

“A relação do Alojamento Local com o setor da construção civil é uma evidência, que se verifica no dia a dia e é fundamental para o mercado pela constante reabilitação e melhoria do imobiliário privado urbano e rural, mas também para a evolução qualitativa e profissional das micro e pequenas empresas”, acrescenta a Associação de Alojamento Local dos Açores.

A ALA reitera também que “é de cabal justiça e equidade” que o Alojamento Local “seja elegível”, na dotação do Programa Operacional Açores 2030, até porque este “assenta as suas diretrizes nas preocupações de sustentabilidade e desenvolvimento de todas as ilhas”.

Pub